Exercícios sobre os Focos de Tensões no Continente Africano

Questão 01. Focos de Tensões no Continente Africano: (UFPA–2006) Considere as áreas do continente africano, representadas na figura a seguir.

áreas de conflito no continente africano

A afirmativa CORRETA, em relação a cada área, é:
A) Área 1 – Área islamizada por árabes, quando estes se expandem pelo norte da África; possui hoje uma população formada em sua maioria absoluta por muçulmanos com a presença de governos totalitários sob influência militar. Esta área esteve sob domínio colonial de italianos, franceses e ingleses.

B) Área 2 – Também conhecida como “África Meridional”. Esta área é palco de conflitos entre diferentes grupos étnicos há várias décadas, tendo sido dominada por portugueses, espanhóis e belgas. Os conflitos internos são gerados pela disputa territorial de grandes áreas agricultáveis.

C) Área 3 – Antiga colônia britânica até o início da década de 1960; é grande produtora de petróleo do continente, cuja produção gerou divisas suficientes para sua estabilidade econômica, dando a esta região relativa estabilidade social.

D) Área 4 – Antigas colônias portuguesas até o início da década de 1950; têm conhecido grandes conflitos étnicos que vitimaram milhões de pessoas. A rivalidade entre hutus, zulus e tutsis, nessa região, também conhecida como Magreb, desemboca num conflito com característica de limpeza étnica.

E) Área 5 – Os europeus colonizam a área a partir do século XV. Portugueses, italianos e espanhóis, no início do século XX, cedem lugar a ingleses e holandeses. Nesse momento, a área conhece uma política de segregação racial (apartheid), religiosa (inkatha) e espacial (bantustões) jamais vista no mundo.


Questão 02. (Unicamp-SP–2009) Desde 2003, uma guerra civil no Sudão já deixou 200 mil mortos na porção oeste do país: Darfur. As causas desses conflitos se assemelham a tantos outros no continente.

Considere as afirmativas:
I. Assim como ocorreram na Etiópia e Somália, no Sudão as disputas são pelas grandes reservas de petróleo.

II. Diferenças étnicas, como ocorreram em Ruanda, no caso do Sudão ocorrem devido à presença de grupos sedentários e milícias de origem árabe.

III. Assim como ocorreu em Angola, no Sudão a disputa está relacionada às diferenças ideológicas entre grupos que apoiam o capitalismo e outros que buscam maior interferência do Estado na economia.

IV. Disputa por terras e fontes de água em Darfur e apoio do governo a milícias que atuam no país são exemplos da guerra no Sudão.

Está CORRETO o que se afirma em:
A) I, II, III e IV.
B) I, II e III, apenas.
C) II, III e IV, apenas.
D) II e IV, apenas.


Questão 03. (UERJ–2010) Quinze anos depois do genocídio que vitimou mais de 800 mil pessoas, visitar Ruanda ainda é uma espécie de jogo de adivinhação – a cada rosto que passa tenta-se descobrir quem foi vítima e quem foi algoz na tragédia de 1994. O governo do país recorre à união do povo. O censo e as carteiras de identidade étnicas não existem mais, todos agora são apenas considerados ruandeses. O esforço do presidente Paul Kagame em evitar um novo conflito é tão grande que chamar alguém de “tutsi” ou “hutu” de maneira ofensiva é crime, com pena que pode chegar a 14 anos.
MARTA REIS

A presença do trauma do genocídio é o principal problema social de Ruanda, maior inclusive que a pobreza. Tratar esse trauma coletivo devia ser prioridade número um, e não transformá-lo num tabu. A política do governo é a do esquecimento por lei, por obrigação. Errada é a vitimização do genocídio, pois existe uma história de conflitos anterior e posterior ao massacre.
GAGLIATO, Marcio. O Globo, 12 abr. 2009 (Adaptação).

A polêmica sobre os efeitos do genocídio de Ruanda, ocorrido em 1994, aponta para contradições dos processos de constituição de Estados nacionais na África contemporânea. Com base na análise dos textos, a resolução dessas contradições estaria relacionada à adoção das seguintes medidas:
A) Conciliação político-religiosa – afirmação das identidades locais.
B) Punição das diferenças culturais – unificação da memória nacional.
C) Denúncia da dominação colonial – integração ao mundo globalizado.
D) Reforço do pertencimento nacional – revisão das heranças da descolonização.


Questão 04. Focos de Tensões no Continente Africano: (UFMS–2009) Segundo o Banco Mundial, cerca de oitenta países vão entrar em conflito por causa dos recursos hídricos nos próximos anos. Rios que atravessam diferentes países representam fontes essenciais de abastecimento de água e constituem motivo de disputas acirradas. Os problemas tornam-se mais graves quando a disputa pela água se mistura com desavenças político-religiosas.

Qual alternativa representa o caso específico de conflito pela água no Rio Nilo?
A) Apesar de ser um rio internacional, poucos países utilizam as águas do Nilo, exceto o Egito, cuja população depende das águas dele para o abastecimento e a produção de alimentos, enquanto que nos outros países banhados pelo mesmo rio, como a Etiópia e o Sudão, a população, por estar concentrada no litoral, tira pouco proveito de suas águas.

B) A instalação de várias usinas hidrelétricas e a captação de água para irrigação, em países localizados no alto da bacia, têm prejudicado o aproveitamento feito no Egito, situado no baixo curso do rio, que contava com as cheias periódicas para a fertilização do vale.

C) É um rio genuinamente egípcio, e as disputas pelas  terras agricultáveis de suas margens são entre os povos nômades do deserto e os árabes muçulmanos que mantêm o controle político em todo o vale do rio.

D) Outros países africanos poderiam utilizar suas águas para o abastecimento e a irrigação, como a Etiópia e o Sudão, porém não as utilizam por cumprirem acordos políticos com o Egito, que historicamente detém o direito de exploração das águas, garantido pela ONU.


Questão 05. (FUVEST–2011) África vive […] prisioneira de um passado inventado por outros.
COUTO, Mia. Um retrato sem moldura. In: HERNANDEZ, Leila.

A África na sala de aula. São Paulo: Selo Negro, 2005. p.11. A frase acima se justifica porque:
A) os movimentos de independência na África foram patrocinados pelos países imperialistas, com o objetivo de garantir a exploração econômica do continente.

B) os distintos povos da África preferem negar suas origens étnicas e culturais, pois não há espaço, no mundo de hoje, para a defesa da identidade cultural africana.

C) a colonização britânica do litoral atlântico da África provocou a definitiva associação do continente à escravidão e sua submissão aos projetos de hegemonia europeia no Ocidente.

D) os atuais conflitos dentro do continente são comandados por potências estrangeiras, interessadas em dividir a África para explorar mais facilmente suas riquezas.

E) a maioria das divisões políticas da África definidas pelos colonizadores se manteve, em linhas gerais, mesmo após os movimentos de independência.


Questão 06. (UNIFESP–2008) No continente africano, encontramos focos de guerras civis e entre países. No chamado Chifre da África, nos últimos anos, foram registrados violentos conflitos entre:

A) países pela definição de fronteiras, envolvendo Burundi e Ruanda.
B) países pelo acesso à água, por parte do Egito e do Sudão.
C) brancos e negros na África do Sul.
D) lideranças locais na Somália.
E) grupos étnicos em Ruanda.


Questão 07. (FUVEST-SP) O processo de descolonização na África foi acompanhado por:

A) elevação nas taxas de crescimento da população do campo, que foi modernizado para produzir alimentos para o mercado interno.

B) abertura da economia dos países africanos, devido à dimensão do seu mercado consumidor, aumentando significativamente sua participação no comércio mundial.

C) democratização do continente, que se livrou das ditaduras nele instaladas nos anos noventa do século XX, com apoio das antigas metrópoles.

D) imposição política externa de limites fronteiriços, que gerou uma série de lutas políticas internas em vários países.

E) migração controlada da população africana, decorrente dos conflitos tribais, para países que anteriormente dominaram o continente.


Questão 08. Focos de Tensões no Continente Africano: (FGV-SP–2008) De 1948 a 1991, vigorou na África do Sul o regime denominado apartheid. A esse respeito é CORRETO afirmar:

A) Trata-se de uma política de segregação racial que excluía os negros da participação política, mas lhes reservava o livre direito à propriedade da terra.

B) Trata-se de uma política de segregação racial que previa uma lenta incorporação da população negra às atividades políticas do país.

C) Trata-se de uma política de segregação racial que excluía negros e asiáticos da participação política e restringia até a sua circulação pelo país.

D) Trata-se de uma política de integração racial baseada na perspectiva ideológica da mestiçagem cultural entre as diversas etnias negras.

E) Trata-se de uma política de segregação racial que propunha a eliminação gradual da minoria negra, como forma de garantir a dominação branca.


Questão 09. Focos de Tensões no Continente Africano: (Enem–2002) O continente africano em seu conjunto apresenta 44% de suas fronteiras apoiadas em meridianos e paralelos; 30% por linhas retas e arqueadas, e apenas 26% se referem a limites naturais que geralmente coincidem com os de locais de habitação dos grupos étnicos.
MARTIN, A. R. Fronteiras e Nações. Contexto: São Paulo, 1998.

Diferentemente do continente americano, onde quase que a totalidade das fronteiras obedecem a limites naturais, a África apresenta as características citadas em virtude, principalmente:
A) da sua recente demarcação, que contou com técnicas cartográficas antes desconhecidas.

B) dos interesses de países europeus, preocupados com a partilha dos seus recursos naturais.

C) das extensas áreas desérticas, que dificultam a demarcação dos “limites naturais”.

D) da natureza nômade das populações africanas, especialmente aquelas oriundas da África Subsaariana.

E) da grande extensão longitudinal, o que demandaria enormes gastos para demarcação.


Questão 10. (Enem–2005) Um professor apresentou os mapas a seguir numa aula sobre as implicações da formação das fronteiras no continente africano.

As fronteiras étnicas e políticas da África

mapa das fronteiras étnicas e políticas da África

ATUALIDADES. Vestibular 2005, 1º sem., Ed. Abril, p. 68.

Com base na aula e na observação dos mapas, os alunos fizeram três afirmativas:
I. A brutal diferença entre as fronteiras políticas e as fronteiras étnicas no continente africano aponta para a artificialidade em uma divisão com objetivo de atender apenas aos interesses da maior potência capitalista na época da descolonização.

II. As fronteiras políticas jogaram a África em uma situação de constante tensão ao desprezar a diversidade étnica e cultural, acirrando conflitos entre tribos rivais.

III. As fronteiras artificiais criadas no contexto do colonialismo, após os processos de independência, fizeram da África um continente marcado por guerras civis, golpes de estado e conflitos étnicos e religiosos.

É VERDADEIRO apenas o que se afirma em:
A) I.
B) II.
C) III.
D) I e II.
E) II e III.


🔵 >>> Veja também a nossa lista completa de Questões sobre Geografia.


Gabarito com as respostas das atividades de Geografia sobre Focos de Tensões no Continente Africano:

01. A;

02. D;

03. D; 

04. B;

05. E;

06. D;

07. D;

08. C;

09. B;

10. E

Gostou desta lista de Exercícios? Não esqueça de compartilhar com seus amigos:

Deixe um comentário