Simulado com Gabarito sobre Análise Sintático Semântico – 02

01. Análise Sintático Semântico: (Enem–2002) A crônica muitas vezes constitui um espaço para reflexão sobre aspectos da sociedade em que vivemos.

“Eu, na rua, com pressa, e o menino segurou no meu braço, falou qualquer coisa que não entendi. Fui logo dizendo que não tinha, certa de que ele estava pedindo dinheiro. Não estava. Queria saber a hora.

Talvez não fosse um Menino De Família, mas também não era um Menino De Rua. É assim que a gente divide. Menino De Família é aquele bem-vestido com tênis da moda e camiseta de marca, que usa relógio e a mãe dá outro se o dele for roubado por um Menino De Rua. Menino De Rua é aquele que quando a gente passa perto segura a bolsa com força porque pensa que ele é pivete, trombadinha, ladrão. […] Na verdade não existem meninos DE rua. Existem meninos NA rua. E toda vez que um menino está NA rua é porque alguém o botou lá. Os meninos não vão sozinhos aos lugares. Assim como são postos no mundo, durante muitos anos, também são postos onde quer que estejam. Resta ver quem os põe na rua. E por quê”.

COLASANTI, Marina. Eu sei, mas não devia. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

No terceiro parágrafo em “[…] não existem meninos DE rua. Existem meninos NA rua […]”, a troca de DE pelo NA determina que a relação de sentido entre menino e rua seja:

A) de localização e não de qualidade.

B) de origem e não de posse.

C) de origem e não de localização.

D) de qualidade e não de origem.

E) de posse e não de localização.

 

 

02. Na língua portuguesa, as palavras “que” e “se” podem ter diversas classificações. Elas podem ser conjunções de diferentes tipos, pronomes, partículas de realce, e o “que” pode, além disso, funcionar até como preposição.

Você disse que não sabe se não

Mas também não tem certeza que sim

Quer saber?

Quando é assim

Deixa vir do coração

Você sabe que eu só penso em você

Você diz que vive pensando em mim

Pode ser

Se é assim

Você tem que largar a mão do não

Soltar essa louca, arder de paixão

Não há como doer pra decidir

Só dizer sim ou não

Mas você adora um se…

Djavan. Se. Disponível em: <http://letras.terra.com.br/djavan/69400/> Acesso em: 05 maio 2011

Considerando as palavras “que” e “se” destacadas no trecho da música de Djavan, é possível afirmar que:

A) a palavra “se” tem a mesma classificação nas três ocorrências.

B) a palavra “se” tem três classificações distintas nas três ocorrências.

C) a palavra “que” tem a mesma classificação nas três ocorrências.

D) a palavra “que” tem três classificações distintas nas três ocorrências.

E) as palavras “que” e “se” são conjunções subordinativas em todas as ocorrências.

 

 

03. Análise Sintático Semântico: As olimpíadas mentais
Quando será que vão criar as olimpíadas mentais? É tão importante conhecer as qualidades intelectuais de um país quanto tem sido medir as qualidades físicas – e a determinação – de um povo. Sim, a Daiane, a goleadora Marta ou o iatista Torben Grael são dignos e legítimos representantes de nosso povo, ninguém pode duvidar disso. Mas, mesmo sabendo, como sabemos, o quanto os intelectuais estão fora de moda, seria ótimo se fossem anunciadas na Grécia as novas modalidades de competição entre povos. Intelectuais? Bem, esse conceito é muito vago e um tanto depreciado por aqui, desde que inventaram aquela frase “intelectual não pensa, intelectual bebe”, ou algo assim. Apesar disso, temos intelectuais que poderiam, mesmo bêbados, nos representar com glórias e até, quem sabe, trazer uma medalha de ouro. Temos cientistas que se destacam fazendo suas pesquisas lá fora, ou os heróis cientistas
que se desdobram por aqui mesmo. Temos escritores que não fariam papel feio em nenhum lugar do mundo, são atletas da sobrevivência da língua portuguesa, e escreveriam uma página de texto em tempo recorde e sem nenhum erro de concordância, pontuação ou divisão de sílabas. E críticos de literatura, de arte, de teatro. E jornalistas e professores e geógrafos. Teólogos. Astrônomos. Médicos. Psicólogos. E universitários que sabem pensar e escrever. Enfim, temos um pequeno, mas eficiente time de atletas mentais que poderiam bater muitas marcas históricas. Exatamente como nas olimpíadas físicas, nas quais os nossos atletas se destacam de uma população que passa fome, ao menos a maioria, os chamados atletas do cotidiano. Alguns dizem que o Prêmio Nobel é a olimpíada mental. Mas é melhor nós, brasileiros, nem falarmos disso.
O problema é que não se descobriu ainda como medir o saber. Os testes de quociente de inteligência não servem, pois um bom raciocínio lógico de um sujeito ignorante pode levar à cotação máxima, e um grande filósofo meio distraído, à mínima. As olimpíadas mentais, portanto, seriam não competitivas. Serviriam apenas para que os jornais publicassem cadernos dedicados ao saber, e o mundo todo pararia diante das televisões para ouvir os arrazoados de um etimólogo genial, os versos encantadores de um poeta metafísico ou a interpretação divina de uma canção composta por um de nossos compositores maiores. Serviriam para que, ao menos de vez em quando, a mente fosse o grande espetáculo. E as academias de malhação mental, ou seja, as bibliotecas, ficariam repletas de crianças, jovens, velhos, decompondo fórmulas matemáticas ou debatendo sobre o enigma de Capitu.
MIRANDA, Ana. Caros Amigos, v. 8, n. 90, set. 2004.

“[…] seria ótimo se fossem anunciadas na Grécia as novas modalidades de competição entre povos” (1º §).
É CORRETO afirmar que a forma verbal destacada nessa frase estaria adequadamente substituída por:
A) se anunciar.
B) se anunciarem.
C) se anunciasse.
D) se anunciassem.

 

Simulado com Gabarito sobre Pontuação Português.

 

04. Análise Sintático Semântico: (EPCAr-MG) Em relação à função da partícula “se”, numere a segunda coluna de acordo com a primeira e, depois, assinale a numeração CORRETA.
1. Partícula apassivadora
2. Índice de indeterminação do sujeito
3. Objeto direto reflexivo
4. Objeto indireto
5. Conjunção
6. Partícula de realce

( ) Veja se falta alguém.
( ) “Vai-se a primeira pomba despertada…”
( ) Daqui se assiste ao desfile.
( ) Ele arroga-se o direito de reclamar.
( ) Ainda se ouvem gemidos.
( ) A jovem olhava-se no espelho.

A) 5, 4, 2, 6, 1, 3
B) 5, 6, 2, 4, 1, 3
C) 2 ,6, 5, 1, 4, 3
D) 5, 6, 2, 1, 3, 4
E) 2, 6, 5, 4, 1, 3

 

 

05. (Unifor-CE–2010) Aponte a opção em que a classificação do termo grifado está INCORRETA.
A) Ajude-me, Deus, com o que é meu. (pronome relativo sujeito).
B) Que se passa contigo? (pronome interrogativo sujeito).
C) Consta que o júri votará a favor. (conjunção integrante de um objeto direto oracional).
D) És o mesmo homem que sempre foste. (pronome relativo predicativo).
E) Ele está falho de quê? (pronome interrogativo e complemento nominal).

 

 

Instrução: As questões de 06 a 07 referem-se ao seguinte período:
“O neurocientista demonstrou que, ao rasgar o cérebro do operário, a barra de ferro danificara estruturas do lobo pré-frontal, em ambos os hemisférios cerebrais”.

06. Marque a afirmativa INCORRETA sobre a estrutura sintática do período acima.
A) Três orações compõem o período.
B) A oração iniciada por “que” é interrompida pela pausa
da vírgula e retomada após “operário”.
C) O período é composto por coordenação e subordinação.
D) O sujeito do verbo “rasgar” é o mesmo do verbo “danificar”.

 

 

07. Com relação aos termos oracionais “do operário”, “de ferro” e “do lobo pré-frontal”, NÃO está correta a seguinte análise:
A) Servem de complementos de três substantivos abstratos.
B) Trata-se de termos com a mesma função sintática.
C) São representados por três locuções adjetivas.
D) “pré-frontal” tem a função de adjunto adnominal.

 

🔵 >>> Veja também a primeira parte desta lista de atividades.

 

Confira nossa lista com todos os exercícios de Língua Portuguesa.

 

Gabarito com as respostas dos exercícios de língua Portuguesa sobre Análise Sintático Semântico:

01. A;

02. B;

03. D;
04. B;
05. C;
06. C;
07. A

Deixe um comentário