Atividades sobre a Geografia do Oriente Médio

1) Geografia do Oriente Médio: (PUC-RS) INSTRUÇÃO: Responder à questão com base nas informações a seguir.

Na área assinalada no mapa vive um povo sem território próprio, que sofre, em geral, discriminação, não usufrui de direitos políticos e tem provocado tensões em países como a Turquia. As informações anteriores se referem ao povo:

a) mongol. c) palestino. e) basco.

b) afegão. d) curdo.

 

 

2) (UERN) “Os israelenses reagiram com frieza nesta sexta-feira (23/09/2011) ao discurso do presidente palestino, Mahmoud Abbas, na Assembleia Geral da ONU (…)”.

(http://oglobo.globo.com/mundo/israelenes-veem-discursode-abbas-naonu-como-incendiario-2694053)

Os palestinos tentam, através de todas as vias diplomáticas, conseguir que

a) Israel libere os portos da Faixa de Gaza para a exportação de petróleo.

b) a ONU liberte políticos presos injustamente por Israel.

c) os Estados Unidos pressionem Israel para desocupar os seus territórios.

d) a ONU reconheça o Estado palestino, como de direito.

 

 

3) Geografia do Oriente Médio: (Unesp)

No Oriente Médio, a água é um recurso precioso e uma fonte de conflito. A escassez de recursos hídricos está aumentando as tensões políticas entre países e dentro deles, e entre as comunidades e os interesses comerciais. A Guerra dos Seis Dias, em 1967, foi, em parte, a resposta de Israel à proposta da Jordânia de desviar o rio Jordão para seu próprio uso. A terra tomada na guerra deu-lhe acesso não apenas às águas das cabeceiras do Jordão, como também o controle do aquífero que há por baixo da Cisjordânia, aumentando assim os recursos hídricos em quase 50%.

(Robin Clarke e Jannet King. O Atlas da Água, 2005. Adaptado.)

A partir da leitura do mapa e do texto, pode-se afirmar que a água é uma questão importante nas negociações entre

a) o Iraque e os turcos.

b) os palestinos e a Síria.

c) o Líbano e a Síria.

d) os iranianos e o Iraque.

e) Israel e os palestinos.

 

 

4) (Unesp) Ocorrida entre 2011 e 2012, a série de manifestações e protestos, que recebeu o nome de “Primavera Árabe”, aconteceu principalmente em países situados:

a) na América do Sul e no Oriente Médio.

b) no Sudeste Asiático e na América do Sul.

c) na África Subsaariana e no Oriente Médio.

d) no Leste Europeu e no Norte da África.

e) no Norte da África e no Oriente Médio.

 

 

5) Geografia do Oriente Médio: (Espm) A imagem a seguir nos remete:

a) À Guerra Civil da Síria

b) À ocupação do Iraque por tropas estrangeiras.

c) Às tropas brasileiras no Haiti.

d) Aos distúrbios no Egito.

e) À instabilidade política do Irã.

 

Exercícios de Geografia da América do Sul.

 

6) Geografia do Oriente Médio: (UFG) A “Primavera Árabe” é um fenômeno político e social no Oriente Médio e no Norte da África, que teve início em 18 de dezembro de 2010 na Tunísia e que desencadeou ondas revolucionárias com protestos, guerras civis e passeatas. A atuação dos jovens por meio das mídias sociais foi fundamental para a derrocada de governos tradicionais e autoritários, sobretudo pela rápida difusão das informações proporcionadas pelos meios de comunicação, blogs e outros. Tendo como base esses protestos e seus efeitos:

a) apresente apenas duas causas que motivaram esses protestos e as revoluções nos países árabes;

b) cite apenas dois países árabes cujos chefes de Estado foram depostos nesses eventos.

 

 

7) (UFRRJ) Leia o texto a seguir e responda:

OBSTÁCULOS NO CAMINHO DE VOLTA

“Assim que os bombardeios israelenses começaram em Beirute, na segunda semana de Julho, Eni Hatouni, paulistana do Itaquera casada com o libanês Michel Hatouni, pegou os cinco filhos e embarcou num dos primeiros voos da FAB rumo ao Brasil…Na semana passada Michel, que trabalha como vendedor autônomo, cogitava a possibilidade de pedir um empréstimo no banco. Ele não tem dinheiro para levar a família de volta ao Líbano.”

(Fonte: “O Globo” 22/10/2006.)

Relacione os conflitos recentes no Oriente Médio à criação de fronteiras políticas modernas.

 

 

8) Geografia do Oriente Médio: (UFU) Na atualidade, o Oriente Médio representa uma grande região de conflito, sendo denominada pela imprensa como “barril de pólvora”. Sobre esta região, responda:

Qual é a importância estratégica/geopolítica e econômica do Oriente Médio para o Ocidente?

 

 

9) (PUC-RJ)

Fonte: Ministério das Relações Exteriores (http://www.mre.gov.br/)

NACIONALISMO: Ideologia política que reivindica para um povo o direito de formar uma nação. (…) Como o Estado-nação está referenciado ao território, o nacionalismo é também suporte ideológico para a defesa e a conquista territorial e para as guerras entre Estados.

(Iná Elias de Castro. “GeografIa e Política – Território, escalas de ação e instituições”. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005).

 

Com base nas informações anteriores, indique uma área na figura selecionada onde ainda não há a consolidação de um Estado-nação e identifique uma condição espacial que dificulta esse processo.

 

 

10) Geografia do Oriente Médio: (Unesp) As expressões “selvagens”, “bárbaros” ou “inferiores”, em um mundo interligado por comunicações instantâneas e pela intensificação do comércio global, têm sido utilizadas para justificar a intolerância étnico-cultural e religiosa e como pretexto para intervenções bélicas dominadoras. Observe o mapa.

H. C. Garcia e T. M. Garavello. Geografia dos continentes – Ásia. São paulo: Scipione, 1997. Adaptado.

Identifique a questão geopolítica que perdura por seis décadas, discorrendo sobre suas causas.

 

🔵 >>> Veja também a nossa lista completa de Questões sobre Geografia.

 

Gabarito com as respostas do simulado de Geografia sobre a Geografia do Oriente Médio:

1) d; 2) d; 3) e; 4) e; 5) b;

6) a) A sucessão de movimentos populares ocorrida nos países árabes em 2010 foi deflagrada pela instabilidade econômica marcada pela inflação, desemprego e crise de  desabastecimento, ampliando o descontentamento com governos ditatoriais e seculares.

b) A deposição de chefes de Estado no contexto da Primavera Árabe ocorreu na Líbia, Egito, Iêmen e Tunísia.

 

7) A maioria das fronteiras políticas dos países do Oriente Médio não respeitou os limites étnicos, formando países que incluem dentro de seus territórios vários grupos étnicos. Estes grupos disputam entre si o controle do poder político em respeito aos clãs tradicionais.

 

8) Na região ainda encontram-se as principais reservas mundiais de petróleo. Do ponto de vista geopolítico é um importante tabuleiro onde se pratica o jogo da presença dos Estados Unidos na região defendendo seus interesses e gerando instabilidades acentuadas, em contraponto ao conflito histórico religioso israelo-palestino.

 

9) A fgura mostra o Estado de Israel e a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, sendo essas últimas predominantemente habitadas por árabes palestinos e fortemente controladas por Israel, ainda não constituindo o chamado Estado da Palestina. A ONU aprovou, em 1947, um plano de partilha da região para criar os Estados de Israel (reivindicado pelos judeus) e o da Palestina (reivindicado pelos árabes palestinos). Logo que a Assembleia Geral das Nações Unidas votou e aprovou o plano, os judeus proclamaram o Estado de Israel. Porém, os árabes recusaram o plano por o considerarem injusto, o que iniciou uma série de conflitos regionais que se estendem até os dias de hoje.

Um dos problemas relacionados à condição espacial que dificulta, na atualidade, a formação de um Estado palestino na região, diz respeito à configuração do seu território. Este seria constituído pela Faixa de Gaza e Cisjordânia, espaços não contíguos, separados pelo Estado de Israel. Outra condição se refere às fronteiras do que seria o Estado da Palestina. A maior parte desse território – a Cisjordânia – apresenta grandes problemas de abastecimento, já que não tem acesso ao mar Mediterrâneo, além de ter uma grande extensão de fronteira com o Estado de Israel, o que o tornaria vulnerável econômica e politicamente.

 

10) O texto e o mapa retratam a questão palestina em face da consolidação do Estado de Israel, que tem sido reiteradamente apoiado pelos EUA em detrimento do interesse árabe, contrário à instalação de um Estado judeu em território milenarmente consagrado como seu, na forma de uma disputa territorial. O apoio, até aqui, incondicional dos EUA ao Estado de Israel, gera muita instabilidade regional. A participação política de grupos extremistas de ambos os lados também dificulta muito o processo de busca de acordos de paz para a região.

Deixe um comentário