Estados Unidos no Século XIX Questões

01. Estados Unidos no Século XIX: (UFU-MG) Entre os diversos fatores que contribuíram para o rápido desenvolvimento industrial e agrícola dos Estados Unidos no século XIX, podemos destacar:
I. A construção das ferrovias transcontinentais, que aceleraram a conquista do oeste, atraindo mais imigrantes.
II. A criação de um sistema bancário de âmbito nacional, baseado no poderio econômico dos grandes bancos estatais de cada estado da União.
III. A redução ou eliminação significativa das tarifas aduaneiras, como forma de estimular a concorrência da indústria local com as europeias.
IV. O aperfeiçoamento técnico dos transportes e das comunicações, com o desenvolvimento do telégrafo, das ferrovias e das hidrovias.
V. O afluxo de capitais europeus, investidos na agricultura e nas bolsas de valores.

Assinale:
A) se apenas I e IV forem corretas.
B) se apenas II e III forem corretas.
C) se apenas III e IV forem corretas.
D) Se apenas I e II forem corretas.
E) se apenas I e V forem corretas.

 


02. (UFMG) Leia este trecho de documento:
Odeio-a porque impede a nossa República de influenciar o mundo pelo exemplo da liberdade; oferece possibilidade aos inimigos das instituições livres de taxar-nos, com razão, de hipocrisia e faz com que os verdadeiros amigos da liberdade nos olhem com desconfiança. Mas, sobretudo,  porque obriga tantos entre nós, realmente bons, a uma guerra aberta contra os princípios da liberdade civil.
DISCURSO de Abraham Lincoln, em 1859.

Nesse trecho de discurso, Abraham Lincoln, que seria eleito presidente dos Estados Unidos no ano seguinte, faz referência:
A) à política de segregação racial existente nos estados do sul dos Estados Unidos, que gerou a formação de organismos voltados ao extermínio dos negros, à destruição de suas propriedades e a atentados constantes contra suas comunidades.
B) à posição dos estados do sul de defesa intransigente de tarifas protecionistas, o que levava os Estados Unidos a comprometer a crença na liberdade de mercado, numa conjuntura de predomínio do capitalismo liberal.
C) à questão da escravidão, que levou a uma guerra civil, nos Estados Unidos, entre o norte, industrializado, e o  sul, que lutava para preservar a mão de obra escrava nas suas plantações de produtos para a exportação.
D) à defesa, pelos imigrantes, do extermínio dos índios nas terras conquistadas a oeste, especialmente após a edição do
Homestead Act, visando ao desenvolvimento da agricultura e da pecuária naquelas áreas.

 

 

03. Estados Unidos no Século XIX: (Fatec-SP–2010) No caso da história americana, um dos eventos mais retratados pela memória social é, sem dúvida, a chamada Marcha para o Oeste. Mesmo antes do surgimento do cinema, esses temas já faziam parte das imagens da história americana.  A fronteira foi um tema constante dos pintores do século XIX. A imagem das caravanas de colonos e peregrinos, da Corrida do Ouro, dos cowboys, das estradas de ferro cruzando os desertos, dos ataques  dos índios marcam a arte, a fotografia e também a cinematografia americana.
CARVALHO, Mariza Soares de. Disponível em: <http://www.historia.uff.br/primeirosescritos /files/pe02-2.pdf>. Acesso em: 29 ago. 2009.


Entre os fatores que motivaram e favoreceram a Marcha para o Oeste, está:
A) a possibilidade de as famílias de colonos tornarem-se proprietárias, o que também atraiu imigrantes europeus.
B) o desejo de fugir da região litorânea afundada em guerras com tribos indígenas fixadas ali, desde o período da colonização.
C) a beleza das paisagens americanas, o que atraiu muitos pintores e fotógrafos para aquela região.
D) o avanço da indústria cinematográfca, que encontrou no oeste o lugar perfeito para a realização de seus filmes.
E) a existência de terras férteis que incentivaram a ida para o oeste, de agricultores que buscavam ampliar suas plantações de algodão.

 


04. (UFV-MG) Leia os trechos de notícias de jornais publicados nos Estados Unidos no século XIX:
1. […]
um espírito de interferência hostil [de outras nações] para conosco, com o objetivo confesso de deformar nossa política e prejudicar nosso poder, limitando  nossa grandeza e  impedindo a realização de nosso Destino Manifesto, que é estendermo-nos sobre   continente que a Providência fixou para o livre desenvolvimento de nossos milhões de habitantes, que ano após ano se multiplicam.
Democratic Review

2. A universal nação ianque pode regenerar e libertar o povo do México em poucos anos; e cremos que é parte de nosso destino civilizar esse belo país e capacitar seus habitantes para apreciar algumas das numerosas vantagens e bênçãos de que dispõem.
New York Herald

Citados por AQUINO, R.S.L. et al. História das sociedades americanas. Rio de Janeiro: Livraria Eu e Você, 1981. p. 140-141.

Quanto à história do expansionismo norte-americano no século XIX, pode-se afirmar que:
A) na época, os Estados Unidos apossaram-se de várias áreas do território mexicano sem o pagamento de indenizações e, da mesma forma, apropriaram-se de colônias da França, da Inglaterra e da Rússia, orientados por seu Destino Manifesto.
B) as ações expansionistas dos Estados Unidos visavam a empurrar suas fronteiras até o Oceano Pacífico e excluir a região sul do país, porque nela predominava uma economia agroexportadora que impedia o avanço da industrialização.
C) o expansionismo norte-americano sobre as colônias espanholas contou com o apoio da Santa Aliança porque ela pretendia ver instauradas repúblicas, livres e democráticas, nas metrópoles europeias e em suas colônias.
D) por força de seu Destino Manifesto, a descoberta do ouro nas colinas californianas estreitou as relações  entre mexicanos e americanos, evitando novos conflitos e disputas nas fronteiras, o que permitiu o acesso dos Estados Unidos ao Oceano Pacífico.
E) a imprensa dos Estados Unidos, na época, acreditava que eles tinham uma predestinação: a missão de civilizar povos inferiores do continente americano por causa de seu Destino Manifesto, ou seja, o seu domínio representava a vontade de Deus.

 


05. Estados Unidos no Século XIX: (UFJF-MG) Sobre a história dos Estados Unidos, no contexto da Guerra de Secessão, aponte a afirmativa CORRETA:
A) A emergente burguesia industrial propunha a criação de uma civilização com bases mais aristocráticas, em que a elite tivesse um comportamento semelhante ao da nobreza inglesa.
B) Os estados do norte eram contra o protecionismo alfandegário, porque queriam importar livremente produtos manufaturados.
C) No sul dos EUA, concentrava-se a elite agrária escravista, que se opunha aos estados do norte, onde  e concentrava a elite industrial.
D) Após a Guerra de Secessão, foi abolida a escravidão e houve uma significativa melhora nas condições de vida dos negros, que foram beneficiados por vários programas do governo.
E) Mesmo com a vitória dos Estados Confederados, não houve uma reconciliação entre as elites do sul e as do norte.

 

Unificação da Itália e Alemanha e a Comuna de Paris Exercícios.

 

06. Estados Unidos no Século XIX: (UFU-MG–2006) Leia o trecho a seguir.
Disfarçado com nomes como “A conquista do Oeste” ou “Vaqueiros e índios”, esse golpe final da história ocidental tem a mesma popularidade na América Latina […] e no Quartier Latin de Paris, onde se podem comprar enormes chapéus de vaqueiro, cordas de amarrar gado e botas  de vaqueiro feitas com couro sintético do Oriente. […]Nos Estados Unidos, a platéia continua a crescer ainda hoje e continua tão crédula quanto sempre em relação a facções sobre a vitória e os adversários derrotados. Poucos compreendem ou se importam com o fato de que esse episódio final é na realidade um retrato da civilização ocidental, tão irônico quanto trágico.
TURNER, Frederick. O espírito ocidental contra a natureza. Rio de Janeiro: Campus, 1990. p. 257.


No trecho apresentado, a cultura western, por exemplo, nos filmes de faroeste, é tratada como espetáculo relativo a um episódio considerado irônico e trágico da civilização ocidental. Em relação a tal episódio, assinale a alternativa INCORRETA.
A) Refere-se a um processo de desapropriação de terras indígenas, exploração sistemática de recursos naturais do oeste dos Estados Unidos e extermínio de populações nativas da região, que é operado, sobretudo, na segunda metade do século XIX.
B) Refere-se à maneira pela qual os ingleses, no momento de sua fixação nas 13 colônias, lidaram com as populações indígenas da América do Norte, desapropriando-as e dizimando-as.

C) Refere-se à violência das práticas por meio das quais o capitalismo foi introduzido nas “regiões selvagens” da América do Norte, tendo como resultado a transformação radical da  natureza do oeste dos Estados Unidos e o desaparecimento de grupos indígenas da região.
D) Esse episódio favoreceu a construção de vias modernas de comunicação nos Estados Unidos, como as linhas férreas e os telégrafos, possibilitando a ligação entre diversas partes do país no contexto da sua industrialização.

 


07. Estados Unidos no Século XIX: (UFPR–2007) Alexis de Tocqueville, um dos grandes teóricos da democracia na América, afirma em sua obra de 1835: Quando comparo as repúblicas gregas e romanas com essas repúblicas da América, as bibliotecas manuscritas das primeiras e seu populacho grosseiro com os mil jornais  que circulam nas segundas e com o povo esclarecido que as habita; quando em seguida penso em todos os esforços que ainda são feitos para julgar uns com a ajuda dos  outros e prever, pelo que aconteceu há dois mil anos,o que acontecerá em nossos dias, sou tentado a queimar meus livros, a fm de aplicar apenas idéias novas a um estado social tão novo.
TOCQUEVILLE, Alexis. de. A Democracia na América. São Paulo: Martins Fontes, 2005. p. 355-356.


Com base no texto e nos conhecimentos sobre a formação da democracia nos Estados Unidos da América, é CORRETO afirmar:
A) O “estado social tão novo” apregoado pelo autor refere-se à existência de uma democracia fundamentada nos pressupostos do Despotismo Esclarecido que caracterizava o sistema político no Antigo Regime na Europa.
B) Tocqueville sugere que, diferentemente das repúblicas gregas e romanas, a experiência democrática americana resultou na formação de uma população grosseira e iletrada, consequência da leitura de jornais em vez de livros.
C) A instituição precoce da democracia liberal nos Estados Unidos foi responsável pela implementação da “missão  civilizadora”, que possibilitou a incorporação pacífica das populações indígenas nativas na sociedade nacional e assegurou a manutenção do seu modo de viver.
D) Por considerar a democracia na América uma ruptura histórica, Alexis de Tocqueville afrma que a democracia norte-americana foi um episódio original e sem precedentes em experiências históricas anteriores.
E) Ao destacar o ineditismo da democracia norte-americana, Tocqueville refere-se ao fato de a Declaração de Independência dos Estados Unidos (1776) ter conferido igualdade, liberdade e direitos irrestritos às mulheres e aos escravos.

 


08. Estados Unidos no Século XIX: (PUC SP–2011) A expansão dos Estados Unidos em direção ao oeste, na primeira metade do século XIX, envolveu, entre outros fatores, a:
A) intervenção norte-americana na guerra de Independência do México, da América Central e de Cuba.
B) anexação militar do Alasca, resultado de longo conflito armado com a Rússia.
C) Guerra de Secessão, que opôs os escravistas dos estados do sul aos abolicionistas do norte.
D) implantação de um sistema legal rigoroso nas áreas ocupadas, evitando conflitos armados na região.
E) remoção indígena, transferindo comunidades indígenas que viviam a leste do Rio Mississippi para outras regiões.

 

 

09. Estados Unidos no Século XIX: (ENEM) Tanto nos Estados Unidos como no Brasil, a política rural estava ligada a uma certa concepção de trabalho. Mas, enquanto a lei brasileira de 1850 dificultava a obtenção de terra pelo trabalhador livre, o Homestead Act de 1862, nos EUA, doava terra a todos os que desejassem nela se instalar.
COSTA, Emília Viotti. Da Monarquia à República. Momentos decisivos. São Paulo: UNESP, 1999.


As políticas rurais do Brasil e dos EUA no século XIX, a partir da Lei de Terras e do Homestead Act, são muito distintas, pois:
A) o
Homestead Act refletiu o desejo dos EUA em atrair imigrantes que contribuíssem para o desenvolvimento do país, enquanto a Lei de Terras do Brasil mostrou o projeto do governo monárquico para conter a imigração europeia para o país.
B) o
Homestead Act, nos EUA, favoreceu a formação de minifúndios e o trabalho livre, o que pode ser contraposto à experiência brasileira, na qual a Lei de Terras consolidou a concentração fundiária e o predomínio da agricultura de exportação.
C) a política rural dos EUA, evidenciada pelo
Homestead Act, privilegiou a economia voltada para exportação, diferentemente do Brasil, que, durante o II Reinado, vivenciou a expansão da agricultura familiar.
D) o
Homestead Act não tem relação com o crescimento industrial estadunidense no final do século XIX. Já a Lei de Terras brasileira influenciou negativamente a formação de um sólido mercado interno em nosso país.
E) os objetivos do governo estadunidense com o
Homestead Act foram atingidos mediante a distribuição agrária e a ocupação do oeste do país, ao passo que, no Brasil, a legislação foi tratada com indiferença pela sociedade.

 

 

10. Estados Unidos no Século XIX: (UFMG) Considerando-se as relações entre a América Latina e os Estados Unidos a partir de meados do século XIX, é CORRETO afirmar que:
A) a abertura do canal no estreito do Panamá possibilitou o desenvolvimento de relações comerciais equilibradas entre as Américas.
B) a consolidação dos Estados antilhanos e centro americanos viabilizou o apoio constante do governo norte-americano às democracias dessa região.
C) a derrota do México, na guerra com os Estados Unidos, significou a perda de quase metade do território mexicano para este país.
D) a política do
Big Stick, implementada pelo presidente Theodore Roosevelt, visava a estreitar o diálogo diplomático entre os países americanos.

 

🔵 >>> Confira todas as nossas questões sobre a História Mundial.

 

Gabarito com as respostas das questões de História sobre Estados Unidos no Século XIX:

01. A; 02. C; 03. A; 04. E; 05. C; 06. B; 07. D; 08. E; 09. B; 10. C

Spread the love