História da Idade Média Lista de Exercícios

1. Idade Média: (PUC–Campinas) O elemento fundamental na cultura ou civilização islâmica é:
a) o ideograma.
b) a religião.
c) o exército.
d) o código de lei.
e) a técnica da escultura.

 


2. (PUC–Campinas) Para compreender a unificação religiosa e política da Arábia por Maomé, é necessário conhecer:
a) a atuação das seitas religiosas sunita e xiita, que contribuíram para a consolidação do Estado teocrático islâmico.
b) os princípios legitimistas obedecidos pela tribo coraixita, da qual fazia parte.
c) os fundamentos do sincretismo religioso que marcou a doutrina islâmica.
d) as particularidades da vida dos árabes nos séculos anteriores ao surgimento do islamismo.
e) a atuação da dinastia dos Omíadas que, se misturando com os habitantes da região do Maghreb, converteram-se à religião muçulmana e passaram a ser chamados de mouros.

 


3. Idade Média: (UECE) A respeito da arte da civilização muçulmana podemos dizer, corretamente:
a) expressava-se, exclusivamente, na arquitetura e na decoração.
b) a pintura foi limitada pela religião que proibia a reprodução da figura humana.

c) a arte pré-islâmica forneceu os elementos essenciais para o Renascimento italiano.
d) não podemos estabelecer relações entre arte e religião na civilização muçulmana.

 


4. (UEL) A religião muçulmana, que contribuiu para unificar os povos de origem árabe e lhes forneceu amparo espiritual ao longo de sua expansão:
a) inspirava a forma de governo parlamentar, pois os líderes religiosos reuniam-se numa assembleia proporcional.
b) pregava o politeísmo na medida em que reconhecia a adoração de vários deuses.
c) retirava a sua orientação dos textos considerados sagrados, contidos no Corão.
d) reconhecia em Maomé o único e verdadeiro Deus a ser adorado pelos islamitas.
e) tinha, como seu mais importante centro espiritual, a cidade de Bagdá.

 

5. Idade Média: (UFES) Segundo a crença dos cristãos de Bizâncio, os ícones (imagens pintadas ou esculpidas de Cristo, da Virgem e dos Santos) constituíam a “revelação da eternidade no tempo, a comprovação da própria encarnação, a lembrança de que Deus tinha se revelado ao homem e, por isso, era possível representá-lo de forma visível”.
(FRANCO JUNIOR, H.; ANDRADE FILHO, R. O. O Império Bizantino. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 27.)


Apesar da extrema difusão da adoração dos ícones no Império Bizantino, o imperador Leão III, em 726, condenou tal prática por idolatria, desencadeando a chamada “crise iconoclasta”. Dentre os fatores que motivaram a ação de Leão III, podemos citar o(a):
a) intolerância da corte imperial para com os habitantes da Ásia Menor, região onde o culto aos ícones servia de pretexto para a aglutinação de povos que
pretendiam se emancipar.
b) necessidade de conter a proliferação de culto às imagens, num contexto de reaproximação da Sé de Roma com o imperador bizantino, uma vez que o papado se posicionava contra a instituição dos ícones e exigia a sua erradicação.
c) necessidade de mirar as bases políticas de apoio à sua irmã, Teodora, a qual valendo-se do prestígio de que gozava junto aos altos dignitários da Igreja Bizantina, aspirava secretamente a sagrar-se imperatriz.
d) aproximação do imperador, por meio do califado de Damasco, com o credo islâmico que, recuperando os princípios originais do monoteísmo judaico-cristão, condenava a materialização da essência sagrada da divindade em pedaços de pano ou madeira.
e) imperial com o crescente prestígio e riqueza dos mosteiros (principais possuidores e fabricantes de ícones), que atraíam para o serviço monástico numerosos jovens, impedindo-os, com isso, de contribuírem para o Estado na qualidade de soldados, marinheiros e camponeses.

 

História da Roma Antiga Questões Resolvidas.


6. Idade Média: (UFPE) As origens do sistema feudal remontam às sociedades romana e germânica. Entre os fatores que possibilitaram a formação desse sistema, encontram-se:
1. O benefício, o colonato, o patronato e a villae de origem romana.
2. O benefício, o cisma do Oriente e o islamismo em expansão.
3. O comitatus e a noção de realeza dos germânicos.
4. Os efeitos das várias invasões de povos africanos na Europa Ocidental.
5. O esvaziamento da autoridade real, favorecendo o poder de condes e de duques.
Estão corretos apenas os itens:
a) 3, 4 e 5.
b) 1, 3 e 5.
c) 2, 4 e 5.
d) 1, 2 e 3.
e) 2, 3 e 4.

 


7. (UEL) Entre os fatores internos e externos que contribuíram para a formação do sistema feudal encontram-se:
a) as instituições germânicas, como o comitatus e o direito oral.
b) a utilização das moedas de prata republicana ou
solidi imperiais e a assimilação do arianismo.
c) a introdução pelos germanos da noção de Estado e a organização judicial caracterizada pelo
wergeld.
d) a prática constante do nicolaísmo e o enfraquecimento dos patrícios romanos.
e) a aceitação da simonia e o aperfeiçoamento da lavra (arados melhores, mais cortantes e resistentes).

 


8. Idade Média: (Unesp) “Quando Pepino, o Breve, arriscou a usurpação que tantos outros tinham executado nos reinos vizinhos, quis purificá-la pela mais inatacável consagração. Primeiro, levou o papa a declarar que o título real devia caber a quem detivesse o verdadeiro poder. Depois, eleito rei pela assembleia dos grandes, fez-se ungir por S. Bonifácio, o mais ilustre dos missionários, na presença dos bispos franceses.”
(LOPEZ, Robert. O Nacional da Europa.)
Pepino, o Breve, tornou-se, assim, o primeiro rei da dinastia:

a) Merovíngia.
b) Carolíngia.
c) Capetíngia.
d) Valois.
e) Bourbon.

 


9. (Unaerp) O feudalismo, como todos os outros modos de produção, não surgiu repentinamente. Ele foi o resultado:
a) do surgimento da Igreja Católica Romana, instituição que, de certa forma, tomou o lugar do Estado romano.
b) de uma síntese entre a sociedade romana em expansão e a sociedade bárbaro-germânica em decadência.
c) das contribuições isoladas dos bárbaros e dos romanos que deram aos feudos um caráter urbano.
d) do fortalecimento do Estado e da fragmentação política.
e) de uma lenta transformação que começou no final do império romano, passou pela invasão dos bárbaros-germânicos no século V, atravessou o império carolíngio, e começou a se efetivar a partir do século IX.

 


10. Idade Média: (FGV) A batalha de Poitiers (732) é um dos momentos cruciais da evolução política da Europa, pois:
a) terminou com a influência que o império de Bizâncio exercia sobre a cultura da França.
b) deteve a expansão das forças muçulmanas, graças à enérgica ação de Carlos Martel.
c) representou a derrota naval dos turcos que ameaçavam a primazia militar de Roma.
d) significou o fim da influência dos governantes merovíngios, com a implantação do feudalismo.
e) unificou a Gália Cisalpina, que passou a ser governada pelos carolíngios impostos pela Igreja.

 

🔵 >>> Confira todas as nossas questões sobre a História Mundial.

 

Gabarito com as respostas dos exercícios de História Mundial sobre a Idade Média:

1. B
2. D
3. B
4. C
5. E
6. B
7. A
8. B
9. E
10. B

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.