Lista de Exercícios sobre Interpretação de Texto

01. Exercícios sobre Interpretação de Texto: PUC-RS Instrução: Responder às questões 01 e 02 com base no texto abaixo.

tirinha calvin interpretação de textos

Considerando as atitudes e falas dos personagens, é correto concluir que:

a) a mãe já sabia que Calvin havia decidido não ir mais à escola, como se depreende da expressão “Sei”, no primeiro quadrinho;

b) a mãe de Calvin, indecisa sobre o que fazer com o filho, viu-se obrigada a consultar o pai;

c) Haroldo, o tigre presente no último quadrinho, demonstra apoio incondicional à atitude do menino, pelo fato de estar disposto a acompanhá-lo à escola;

d) não havendo outra saída, foi necessário usar a força física para mandar Calvin à escola, como se depreende da expressão “esmagar”, do último quadrinho;

e) as expressões “os pais” e “uma criança”, no último quadrinho, indicam que Calvin generalizou a conclusão a que chegou.

 

 

02. PUC-RS Instrução: Responder à questão 3 com base nas idéias abaixo, que completam a frase sublinhada.

Pela leitura da tira, é correto afirmar que Calvin:

1. Demonstra temer uma vida adulta em meio à poluição.

2. Usa sua fantasia para tentar convencer sua mãe do acerto de sua decisão.

3. Considera-se injustiçado pelos pais.

4. Conclui que seu projeto para o futuro foi rejeitado por ser ambicioso.

As idéias que complementam adequadamente a frase sublinhada, de acordo com o sentido da tira, estão na alternativa:

a) 1 e 2.

b) 1, 2 e 3.

c) 2 e 3.

d) 2, 3 e 4.

e) 3 e 4

 

 

Texto para as questões 03 e 04.

“Homem Primata

Desde os primórdios

Até hoje em dia

O homem ainda faz

O que o macaco fazia

5 Eu não trabalhava, eu não sabia

Que o homem criava e também destruía.

Homem primata

Capitalismo selvagem

Ô, ô, ô

10 Eu aprendi

A vida é um jogo

Cada um por si

E Deus contra todos

Você vai morrer e não vai pro céu

15 É bom aprender, a vida é cruel.

Homem primata

Capitalismo selvagem

Ô, ô, ô

Eu me perdi na selva de pedra

20 Eu me perdi, eu me perdi”

BRITTO, Sérgio, FROMER, Marcelo, REIS, Nando, PESSOA, Ciro. Do CD Cabeça de dinossauro.

 

03. UFR-RJ No texto Homem Primata, a comparação estabelecida entre o homem e macaco alude:

a) a uma das teorias sobre a origem da espécie humana;

b) ao comportamento irracional do homem na sociedade moderna;

c) às semelhanças biológicas entre os dois seres;

d) ao bom relacionamento entre homem e macaco;

e) ao capitalismo selvagem da sociedade contemporânea.

 

 

04. UFR-RJ A oposição entre os quatro primeiros versos de Homem primata e o texto Pecados do século XXI (texto abaixo) envolve, respectivamente, os antônimos:

a) lentidão X velocidade;

b) atraso X progresso;

c) santidade X pecado;

d) estagnação X mudança;

e) passado X presente.

 

 

Texto para responder os Exercícios sobre Interpretação de Texto 04, 05, 06 e 07.

“Pecados do Século XXI

As versões modernas para a luxúria, a inveja, o orgulho, a ira, a avareza, a preguiça e a gula.

Os setes pecados capitais do cristianismo – inveja, avareza, gula, preguiça, ira, orgulho e luxúria – adquiriram novas versões neste final de século. A maioria movida a compulsões por trabalho, consumo, sucesso, prazeres e lucro, valores de uma sociedade que trocou a existência natural pelo acúmulo de sensações e de bens materiais. (…)

O psicanalista Eduardo Losicer, um dos membros do Aspas (Associação de Pesquisadores e Analistas da Subjetividade), que está à frente da pesquisa sobre as novas psicopatologias, explica que o indivíduo contemporâneo obedece essencialmente a ordens externas, enquanto suas demandas internas caem no vazio e dão origem às compulsões:

– O paraíso atual é obrigatório. Não há mais a moralidade do pecado, na qual o pecador vivia um conflito interno entre ceder ou não à tentação. Não há possibilidade de escolha entre o céu e o inferno. Vivemos sob a moralidade dos mandados. São ordens que devem ser obedecidas, sob pena de exclusão do sistema. Esta é a ameaça. Vivemos hoje como se cada indivíduo fosse apenas um conjunto de leis, um superego.

(…) Os indivíduos contemporâneos vêm sofrendo de ausência cada vez maior de vida interior. – Este vazio na alma dá origem a condutas compulsivas para preencher este vazio afetivo com dinheiro, roupas, trabalho, imagens de jornais, cinema e TV, bebida ou drogas pesadas. É preciso preencher um vazio existencial e afetivo.

Para o antigo pecado capital da avareza, temos hoje o seu avesso: o consumismo desenfreado e compulsivo do perdulário contemporâneo, para quem o que importa não é ser alguém, mas ter tudo e, se possível, todos à sua volta. A criativa preguiça, tão elogiada pelos defensores da vida contemplativa, prazerosa e lúdica, transformou-se em mania de trabalho. O pecado da luxúria, que levava homens e mulheres a pensar ou a fazer sexo em excesso, é hoje um hábito do telespectador: o voyeurismo. Quem tem ódio do Governo, do time rival ou do parceiro que lhe deu um fora debocha, ironiza e ridiculariza estes desafetos. Já não há mais lugar para a ira. O orgulho está em baixa. Pouca gente se orgulha de si mesmo ou da vida que leva (…) todo mundo sabe que hoje em dia é fundamental se autopromover. Não resistir ao apelo de uma caixa de bombons importados… Este era o pecado da gula, praticamente superado por uma legião de mulheres que buscam um corpo cada vez mais magro e mais jovem. A aparência do bom moço, adotada por ídolos do esporte, executivos de empresas e apresentadores de TV, encobre um sujeito dissimulado que cumpre um papel preestabelecido. É a nova versão do invejoso, que já não deseja ser o outro, mas algo imaginário e, portanto, irreal.”

CEZIMBRA, Márcia – O Globo, 16/05/99.

 

05. UFR-RJ No texto “Pecados do século XXI”, o autor pretende:

a) expressar suas opiniões pessoais sobre a pesquisa desenvolvida pelo psicanalista Eduardo Losicer;

b) levar o receptor (leitor) a rejeitar as opiniões do pesquisador Eduardo Losicer;

c) informar o receptor (leitor) sobre o trabalho do psicanalista Eduardo Losicer, relatando suas conclusões;

d) refletir sobre a natureza do código lingüístico, bem como sobre sua relevância na caracterização do homem do século XXI;

e) elaborar uma mensagem rica em musicalidade e figuras de linguagem.

 

Atividades sobre Sinais de Pontuação 9 ano com Gabarito.

 

06. UFR-RJ Os valores dos indivíduos contemporâneos, segundo o texto, estão sendo determinados pelo(a):

a) conflito interno entre ceder ou não à tentação;

b) compulsão cada vez maior pela vida interior;

c) Associação de Pesquisadores e Analistas da Subjetividade;

d) determinação de alcançar o paraíso celeste;

e) sensação de um vazio existencial e afetivo.

 

 

07. UFR-RJ A pesquisa do psicanalista Eduardo Losicer, à qual o artigo se refere, atesta que:

a) o homem contemporâneo se empenha em mudar os valores do século passado;

b) a grande ameaça da sociedade está na subversão dos valores individuais;

c) a punição da modernidade é a exclusão do sistema, equivalente ao inferno;

d) a modernidade se caracteriza por ser um paraíso, sem noção de valores materiais;

e) as novas versões para os sete pecados capitais apenas se explicam no campo do imaginário.

 

 

08. Exercícios sobre Interpretação de Texto: UFSE-PSS

“Os vizinhos chegavam às janelas, vozeando furiosos contra semelhante berraria.

— É o que sucede a quem mora perto de um João Coqueiro! bradou um da turma.

— Quem mora junto ao chiqueiro sente o fedor da lama! gritou um segundo.

— Queixe-se à Câmara Municipal! acudiu outro.

E formidável matacão foi de encontro à vidraça iluminada do chalé de Amélia.

Um dos vizinhos apitou e outro despediu um jarro de água sobre os desordeiros.

Ouviu-se logo o estardalhaço impetuoso dos gritos, das descomposturas e do crepitar dos vidros que se partiam sob um chuveiro de pedras.

— Morra o infame! bramia a malta, já de carreira para o Largo do Machado. — Morra o cáften!

João Coqueiro presenciara tudo aquilo, grudado a um canto da janela, mordendo os nós da mão, os olhos injetados, o sangue a saltar-lhe nas veias.

— Oh! Era demais, pensava ele desesperado. — Era demais tanta injúria! — Se Amâncio estivesse ali, naquela ocasião, por Deus que o estrangulava!”

AZEVEDO, Aluísio. Casa de Pensão.

 

Com base no texto, assinale como verdadeiras as frases que fazem uma afirmação correta e como falsas aquelas em que isso não ocorre.

( ) O trecho apresenta uma estrutura narrativa, pois indica situações diferentes, com várias personagens e as alterações decorrentes dos fatos apontados.

( ) Confere vivacidade e veracidade à afirmação do autor em “vozeando furiosos contra semelhante berraria” o uso do discurso direto que se segue a ela.

( ) “Quem mora junto ao chiqueiro sente o fedor da lama!” – a frase está empregada em seu sentido denotativo.

( ) As formas verbais chegavam e vozeando indicam ações pontuais ou que se efetuam rapidamente.

( ) Um da turma bradou que era o que sucedia a quem morava perto de um João Coqueiro. Essa é a transposição correta da 1ª fala do texto para o discurso indireto.

 

 

09. Exercícios sobre Interpretação de Texto: UFPR Leia com atenção esta passagem introdutória de A Lógica da Investigação Científica (1934), de Karl Popper.

“Costuma-se chamar de “indutiva” a uma inferência se ela passa de enunciados singulares (também chamados, algumas vezes, enunciados “particulares”), tais como as descrições dos resultados de observações ou experimentos, a enunciados universais, tais como hipóteses ou teorias. Ora, de um ponto de vista lógico, está longe de ser óbvio que se justifique inferir enunciados a partir dos singulares, por mais elevado que seja o número destes últimos; pois qualquer conclusão que obtemos dessa maneira pode acabar sendo falsa: não importa quantas ocorrências de cisnes brancos possamos ter observado, isto não justifica a conclusão de que todos os cisnes são brancos.”

Segundo Popper, “indução” é: marque V (verdadeiro) ou F (falso).

( ) A passagem de enunciados particulares a universais através de um inferência.

( ) Um método físico para o exame tanto das partículas quanto do universo.

( ) Um raciocínio cuja justificação lógica não é evidente.

( ) Um método impróprio no caso da zoologia, mas não das demais ciências.

( ) Um método lógico que nos permite concluir com segurança se certas teorias são validadas pela observação.

 

 

10. Exercícios sobre Interpretação de Texto: Univali-SC

“No antigo Egito, o gato foi honrado e enaltecido. Sendo considerado como um animal santo. Nesta mesma época, a gata transformou-se na representação da deusa Bastet, fêmea do deus sol Rá. (…) Na Europa, o gato se desenvolveu com as conquistas romanas. Ele foi admirado por sua beleza e dupla personalidade (ora um selvagem independente, ora um animal doce e afável), e apreciado ainda no século XI quando o rato negro invadiu a Europa. No século XIII desenvolveram-se as superstições e o gato passou de criatura adorada a infernal, associada aos cultos pagãos e à feitiçaria. A igreja lhe virou as costas. (…) No século XVIII ele voltou majestoso e em perfeito acordo com os poetas, pintores e escritores que prestam homenagem à sua graça e à beleza de seu corpo.”

Revista DC – Diário Catarinense – 25 de abril de 1999.

São idéias presentes no texto:

I. Enaltecer a figura do gato no mundo atual.

II. Descrever a história dos gatos ao longo dos tempos.

III. Justificar a importância dos gatos e dos ratos.

IV. Citar superstições acerca dos gatos.

V. Exemplificar as várias concepções a respeito dos gatos.

VI. Metaforizar sobre os poderosos nos dias atuais.

Dos itens acima, os que realmente caracterizam o texto são:

a) II, IV e V.

b) I, II, III e VI.

c) I, III e VI.

d) I, III e IV.

e) todos os itens.

 

🔵 >>> Confira nossa lista com todos os exercícios de Língua Portuguesa.

 

Gabarito com as respostas dos Exercícios sobre Interpretação de Texto para passar em Concursos Públicos:

01. e;

02. c;

03. b;

04. d;

05. c;

06. e;

07. c;

08. V – V – F – F – V;

09. b;

10. e

Deixe um comentário