Fatores de Contextualização Exercícios com Gabarito

Fatores de Contextualização: (UEMG–2006) Instrução: Para responder às questões de 01 a 09, leia o texto a seguir.

Ler e escrever o mundo
Tornar a leitura e a escrita significativas para os jovens é um desafio para professores de Português, que precisam romper as barreiras entre as salas de aula e a realidade.
Quem nunca teve que ler uma bula de remédio? Onde encontrá-las, em caso de necessidade? […] A maioria de nós encarou aquele texto em letras miúdas à procura de um esclarecimento sobre dose, efeitos colaterais, contra-indicações ou frequência com que o produto deve ser tomado. […] Embora a linguagem em que o texto da bula era escrito não fosse lá muito amigável, os usuários faziam o possível para obter ao menos as informações mais importantes para não matar o paciente envenenado nem deixá-lo sem tratamento.
Há alguns meses, a agência nacional reguladora da saúde no Brasil, a Anvisa, mandou que as bulas fossem escritas para o público, e não mais para os especialistas. A ideia foi ótima e o usuário, especialmente aquele menos letrado, agradece muito que se mude o público-alvo do texto que ensina a usar os remédios. […]

Ler a bula dos remédios é uma ação que, muito provavelmente, só acontece diante da necessidade. Se meu filho pequeno tem febre, corro para ler a bula e entender que dose de antitérmico devo administrar. Se eu tenho dor de cabeça, leio a bula do analgésico para saber como devo tomá-lo. E assim procedem outras pessoas em circunstâncias diversas. Sempre diante da necessidade e, claro, após a consulta ao médico.

Essa é a “leitura significativa”, que funciona como acesso a um conhecimento, mesmo que ele seja tão circunstancial, e preparação para uma ação, mesmo que seja a de tomar um comprimido. Daí em diante, saberei o procedimento de ler bulas e talvez nem precise mais ler se me acontecer novamente a necessidade do mesmo remédio. Outras leituras signifcativas  são o rótulo de um produto que se vai comprar, os preços do bem de  consumo, o tíquete do cinema, as placas do ponto de ônibus, o regulamento de um concurso, a notícia de
um jornal. Se estou precisando trocar de carro, leio os anúncios classificados; caso queira me divertir no cinema, recorro às sinopses e às resenhas para me ajudarem a escolher o flme, o cinema e as sessões.

Caso eu me sinta meio sem perspectivas, posso recorrer aos regulamentos de concurso. Nesses casos, há quem prefira as páginas do horóscopo. Também posso ler para me informar, para aprender a usar uma ferramenta, ligar um aparelho eletrônico, aumentar meu conhecimento sobre algo menos tangível ou mesmo ler para escrever em reação a algo que foi lido. Em muitos casos, posso ler para aprender.

A leitura significativa acontece diariamente com as pessoas à medida que elas interagem com o mundo e com todas as peças escritas que nos circundam. E estamos tão acostumados a isso que esquecemos de que ler é hoje algo muito trivial, especialmente para as pessoas que moram nas cidades.

Já outros gêneros de texto não são assim tão fáceis de achar. Os poemas (infelizmente!) não estão nos rótulos de embalagens nem junto aos frascos de remédio. Talvez não fossem lá muito informativos e de grande ajuda para quem está com uma lancinante dor de cabeça. Os romances não cabem nos outdoors e os contos não costumam acompanhar os tíquetes-refeição. Embora todas essas coisas possam se cruzar em instâncias específicas, os gêneros de texto artísticos não são tão funcionais quanto os anteriormente citados, mas também
têm seus “códigos” de leitura. São lidos em momentos específicos, por exemplo: quando alguém quer ter prazer, experiência estética, conhecimento, vocabulário, etc. Em alguns casos, é necessário ler para um concurso ou para se divertir. Esta também é a leitura significativa.

E o que é que a leitura se torna quando entra pelos portões da escola? O que acontece com a leitura significativa quando ela deixa de ser feita a partir de uma necessidade ou de uma motivação mais “real” e passa a ser feita como tarefa pontuada? Como compreender a leitura de uma bula de remédio sem precisar dela? […] Como ter prazer em ler um poema perto da hora do recreio, quando se sente mais a necessidade de ler o quadro de salgadinhos (e seus preços) na cantina da escola?
A leitura ganha contornos de “cobaia de laboratório” quando sai de sua significação e cai no ambiente artificial e na situação inventada. No entanto, é extremamente difícil para o professor, especialmente o de português, tornar a sala de aula um ambiente confortável para a leitura significativa. Como trazer as necessidades e as motivações para dentro da sala de aula?

Quando o assunto é a escrita, a situação se agrava ainda mais. Quando é que sentimos necessidade de escrever? Que textos são necessários à nossa comunicação diária, seja no trabalho ou entre amigos na Internet? Como agir por meio de textos em circunstâncias reais? E como trazer essas circunstâncias para a escola?

Já que o mundo inteiro não cabe numa sala, quem sabe se o professor de português saísse mais da sala de aula e levasse o aluno às situações em que ler e escrever se tornam muito tangíveis? E se a sala de aula de português não fosse tão inibitória ao encontro, à conversa e ao texto e se tornasse uma “sala ambiente”, à maneira dos professores de biologia?
Em lugar de cadeiras individuais de costas umas para as outras estariam as mesas redondas. No lugar do quadro, uma estante de livros de referência sobre língua e muitos outros assuntos. Ou talvez a biblioteca fosse muito adequada à conversão dos alunos-repetidores em alunos interventores.

Quem sabe se o professor de Português fizesse a necessidade acontecer? Uma sessão de cinema de verdade pode ensejar resenhas de verdade. Um lugar onde publicar as resenhas (e aí é impossível não citar a Internet) pode transformar textos-obrigação em textos formadores de opinião, ao menos para uso daquela comunidade.
[…] ler e escrever são condutas da vida em sociedade. Não são ratinhos mortos de laboratório prontinhos para ser desmontados e montados, picadinhos e jogados fora. Quem sabe o professor de português reconfigure a sala de aula e transforme a escola numa extensão sem muros e sem cercas elétricas do mundo de textos que a rodeia?
RIBEIRO, Ana Elisa. Estado de Minas, Belo Horizonte, 10 set. 2005. Pensar. (Adaptação).

01. Fatores de Contextualização: Todas as afirmativas a seguir relacionam-se ao título e ao conteúdo do texto, EXCETO:

A) A “leitura significativa” é instrumento de interação do homem com o mundo e com todas as peças escritas que circundam o leitor.
B) A leitura é significativa na medida em que se constitui como acesso ao conhecimento – seja ele de qualquer natureza.
C) Ler e escrever o mundo diz respeito à atitude do leitor, que deve saber associar a palavra (o escrito) à realidade que o cerca.
D) A leitura e a escrita do mundo só são possíveis através de textos informativos, pragmáticos, e com o suporte das novas tecnologias.


02. Fatores de Contextualização: Assinale a alternativa em que se caracterizou,  respectivamente, gênero e tipo adequados para o texto.

A) Artigo publicitário – informativo-descritivo
B) Texto opinativo – dissertativo-argumentativo
C) Crônica – narrativo-argumentativo
D) Reportagem – dissertativo-descritivo


03. Fatores de Contextualização: Assinale a alternativa em que se expressou ADEQUADAMENTE um ponto de vista significativo adotado pelo autor do texto, conforme indicação constante do lide (= breve  comentário do conteúdo) relativo à matéria jornalística.
A) A Anvisa, agência nacional reguladora da saúde no Brasil, deliberou que as bulas de remédio fossem escritas de modo acessível para todo tipo de público.
B) A escola deve adotar no ensino da escrita e da leitura metodologias e procedimentos mais eficazes, em situações reais, que melhor propiciem ao aluno a “leitura significativa”.
C) Os gêneros de texto artístico não são tão funcionais quanto os da leitura significativa, embora aqueles tenham sua funcionalidade no prazer da leitura e na experiência estética.
D) Infelizmente, os poemas não estão nos rótulos de embalagens nem junto aos frascos de remédio.


04. Fatores de Contextualização: Entre os fragmentos a seguir, indique aquele que NÃO se faz pertinente ao conjunto de ideias dentro do qual se insere o principal ponto de vista do autor.

A) A leitura e decifração das bulas de remédio era atribuição de especialistas que nem sempre repassavam o conteúdo das mesmas ao público em geral.
B) Ler a bula dos remédios é uma ação que, muito provavelmente, só acontece diante da necessidade.
C) A leitura significativa acontece diariamente com as pessoas à medida que elas interagem com o mundo e com todas as peças escritas que nos circundam.
D) O que acontece com a leitura significativa quando ela deixa de ser feita a partir de uma necessidade ou de uma motivação mais “real” e passa a ser feita como tarefa pontuada?


05. Fatores de Contextualização: Embora a linguagem em que o texto da bula era escrito não fosse lá muito amigável, os usuários faziam o possível para obter ao menos as informações mais importantes […]

Indique a alternativa em que o termo em negrito foi ADEQUADAMENTE substituído.
A) Confusa
B) Enganosa
C) Compreensível
D) Solidária


06. Fatores de Contextualização: Quem sabe se o professor de Português fizesse a necessidade acontecer? Uma sessão de cinema de verdade pode ensejar resenhas de verdade. Um lugar onde publicar as resenhas (e aí é impossível não citar a Internet) pode transformar textos-obrigação em textos formadores de opinião, ao menos para uso daquela comunidade. Todas as inferências desse trecho e constantes das afirmativas a seguir estão corretas, EXCETO:

A) A escola, ao ensinar o aluno a produzir o gênero resenha, cria uma situação de leitura e escrita considerada artificial.
B) O professor de Português deve exigir da escola as ferramentas tecnológicas do vídeo e do computador.
C) Os recursos da tecnologia, via Internet, são usado pela escola em circunstâncias não reais, tornando problemático o ensino da escrita na produção de textos.
D) As sessões de cinema dentro da escola constituem estímulo à produção de texto (resenhas), de vez que estariam inseridas em situação de “leitura significativa”.


07. Fatores de Contextualização: Leia os seguintes fragmentos textuais:

Fragmento I
“Pesquisadores do mundo animal têm chamado atenção para um fenômeno curioso: há cada vez mais elefantes, principalmente na Ásia, que nascem sem as presas de marfim características dos machos da espécie. Calcula-se que, há poucas décadas, 3% dos elefantes asiáticos machos nasciam sem presas – hoje, a cifra em alguns grupos chega a 10%.”
VEJA, 10 ago. 2005.

Fragmento II
“A reportagem ‘Demais humano?’ (IstoÉ 1 821) sobre o aspecto pessoal de Adolf Hitler, baseada no historiador Joachim Fest e no flme do produtor Bernd Eichinger, traz uma realidade reveladora do lado humano do Führer que devemos sempre ter em mente, pois mesmo líderes acima dos mortais comuns são tão humanos como nós.” William Splangler – Diamantina – MG.

Fragmento III
“Vídeo: para selecionar o canal vazio, verifique se a chave CH-3/CH-4, localizada na parte traseira do videocassete, e o seletor de canais da TV estão ajustados para o canal vazio de sua região (3 ou 4); Controle remoto: caso o controle remoto esteja falhando, substitua as pilhas velhas por novas. Antes de iniciar uma gravação numa fita de vídeo nova ou que estiver muito tempo sem uso, faça o avanço e retrocesso por completo dessa fta, para evitar anormalidades durante a gravação.”

Considerando as finalidades da “leitura significativa” a que o texto se refere, assinale a alternativa em que NÃO se fez uma análise adequada do fragmento.
A) No fragmento II, a finalidade principal é somente a de ler para se informar.
B) No fragmento III, a finalidade principal é a de ler para aprender a usar uma ferramenta.
C) No fragmento I, as principais finalidades são as de ler para aumentar o conhecimento e ler para se informar.
D) No fragmento II, a finalidade principal é a de ler para escrever em reação a algo que foi dito.


08. Fatores de Contextualização: Traços de oralidade podem ser observados em todos os fragmentos textuais transcritos nas alternativas a seguir, EXCETO em:

A) “Quando é que sentimos necessidade de escrever?
Que textos são necessários à nossa comunicação diária, seja no trabalho ou entre amigos na Internet?”
B) “Talvez não fossem lá muito informativos e de grande ajuda para quem está com uma lancinante dor de cabeça.”
C) “A maioria de nós encarou aquele texto em letras miúdas à procura de um esclarecimento sobre dose, efeitos colaterais, contraindicações ou frequência com que o produto deve ser tomado.”
D) “E assim procedem outras pessoas em circunstâncias diversas. Sempre diante da necessidade e, claro, após a consulta ao médico.”


09. Fatores de Contextualização: Observe, ainda, o seguinte trecho.
Embora a linguagem em que o texto da bula era escrito não fosse lá muito amigável […]

Assinale a alternativa em que a substituição do articulador em destaque se fez de maneira INADEQUADA e prejudicial ao sentido da ideia objetivada.
A) Apesar de a linguagem em que o texto da bula era escrito não ser lá muito amigável […]
B) Conquanto a linguagem em que o texto da bula era escrito não fosse lá muito amigável […]
C) Ainda que a linguagem em que o texto da bula era escrito não fosse lá muito amigável […]
D) Caso a linguagem em que o texto da bula era escrito não fosse lá muito amigável […]


10. Fatores de Contextualização: (Enem–2009)
Iscute o que tô dizendo,
Seu dotô, seu coroné:
De fome tão padecendo
Meus fo e minha muié.
Sem briga, questão nem guerra,
Meça desta grande terra
Umas tarefa pra eu!
Tenha pena do agregado
Não me dêxe deserdado
Daquilo que Deus me deu.
ASSARÉ, Patativa do. A terra é naturá. Cordéis e outros poemas. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2008. (Fragmento).

A partir da análise da linguagem utilizada no poema, infere-se que o eu lírico revela-se como falante de uma variedade linguística específica. Esse falante, em seu grupo social, é identificado como um falante:
A) escolarizado proveniente de uma metrópole.
B) sertanejo morador de uma área rural.
C) idoso que habita uma comunidade urbana.
D) escolarizado que habita uma comunidade do interior do país.
E) estrangeiro que imigrou para uma comunidade do Sul do país.

🔵 >>> Confira nossa lista com todos os exercícios de Língua Portuguesa.

Gabarito com as respostas dos exercícios de Português sobre Fatores de Contextualização:

Resposta da questão 01. D;

Resposta da questão 02. B;

Resposta da questão 03. B;

Resposta da questão 04. A;

Resposta da questão 05. C;

Resposta da questão 06. B;

Resposta da questão 07. A;

Resposta da questão 08. A;

Resposta da questão 09. D;

Resposta da questão 10. B

Gostou desta lista de Exercícios? Não esqueça de compartilhar com seus amigos:

Deixe um comentário