Tecnologias Gerenciais e Organizacionais na Administração Pública

01. (ESAF / MPOG – 2010). Tecnologias Gerenciais e Organizacionais:

Sobre a incorporação de novas tecnologias e seus impactos na administração organizacional, é incorreto afirmar que:

a) o desabrochar do potencial transformador das novas tecnologias depende da existência de um contexto social que permita aos gerentes reconhecer as oportunidades oferecidas por elas.

b) as novas tecnologias são aquelas capazes de incrementar as habilidades de registrar, armazenar, analisar e transmitir grandes volumes de informações complexas de maneira segura, flexível, confiável, imediata e com independência geográfica.

c) a informatização requer dos indivíduos novas habilidades cognitivas, psicológicas e intelectuais, a fim de que possam adquirir e processar o conhecimento requerido para o desempenho de seus trabalhos.

d) o trabalho da alta gerência pode ser integralmente explicitado e transmitido aos níveis intermediário e operacional, razão pela qual, no futuro próximo, as organizações funcionarão sem chefes ou líderes.

e) as novas tecnologias têm o potencial de, com o uso de programas de software, aprimorar ainda mais a automação das atividades humanas por meio de sua programação, racionalização, e controle.

 

 

02. (ESAF / AFRF 2009) Sobre a incorporação de novas tecnologias de informação, é correto afirmar que:

a) representa uma fonte de incerteza para as organizações.

b) contribui para a ampliação dos níveis gerenciais.

c) dificulta o controle, por tornar mais amplo o acesso ao fluxo informacional.

d) pouco influencia a estrutura organizacional.

e) seu objetivo maior é a redução de custos operacionais.

 

 

03. (ESAF / MPOG 2009). Tecnologias Gerenciais e Organizacionais:

Reduzindo, cada vez mais, o lapso que vai da ficção à realidade, o avanço tecnológico a todos impacta. No campo das organizações, é correto afirmar que:

a) o desenvolvimento da robótica interessa mais às organizações industriais e menos às agropecuárias ou de serviços.

b) em um país como o Brasil, dada a rigidez da legislação, as relações de trabalho são pouco afetadas pela incorporação de novas tecnologias.

c) o domínio do ferramental tecnológico, por si só, é suficiente para garantir a empregabilidade de um indivíduo.

d) as organizações virtuais se valem da tecnologia para unir pessoas, ideias e bens sem, todavia, ser necessário reunílos em um mesmo espaço físico simultaneamente.

e) a incorporação de uma nova tecnologia garante o alcance de melhores resultados em comparação aos que seriam obtidos caso a tecnologia anterior fosse mantida.

 

 

04. (ESAF / CVM 2010) Entre as dez mudanças frequentes que  ocorrem nas empresas com a reengenharia dos processos, temos:

a) as unidades de trabalho mudam, passando de equipes para departamentos.

b) os critérios de promoção mudam de desempenho individual para desempenho grupal.

c) as estruturas mudam de hierárquicas para pessoais.

d) a preparação dos empregados para o serviço muda, deixando de ser treinamento para ser instrução.

e) os serviços das pessoas mudam, passando de tarefas simples para trabalhos multidimensionais.

 

Governabilidade, Governança e Accountability Questões Resolvidas.

 

05. (ESAF / MTE 2006) Indique a opção que corresponde corretamente à frase a seguir: “É o repensar fundamental e a reestruturação radical dos processos empresariais que visam alcançar

drásticas melhorias em indicadores críticos de desempenho.”

a) Tratase da definição de processos de qualidade.

b) Tratase de princípios que norteiam a busca de maior eficácia.

c) Tratase da definição de reengenharia.

d) Tratase de características de um processo de responsabilidade social.

e) Tratase da definição de produtividade.

 

 

06. (ESAF / MTE 2003). Tecnologias Gerenciais e Organizacionais:

Um dos pontos–chave da reengenharia é repensar de forma fundamental e reprojetar radicalmente os processos para conseguir melhorias drásticas. Indique a opção que expressa corretamente a ideia contida nessa afirmativa.

a) Diminuição drástica dos postos de trabalho.

b) Terceirização dos serviços não essenciais ao negócio da organização.

c) Fusão de unidades organizacionais e de empresas.

d) Requalificação da mãodeobra na busca de empregabilidade.

e) Análise dos clientes, insumos, informações e produtos.

 

 

07. Tecnologias Gerenciais e Organizacionais: (ESAF / CGU 2012) Considerado uma importante ferramenta de gestão estratégica, o Balanced Scorecard busca a maximização dos resultados com base nas seguintes perspectivas, exceto:

a) Concorrência e tecnologia.

b) Financeira.

c) Clientes.

d) Processos internos.

e) Aprendizado e crescimento.

 

 

08. (ESAF / STN 2005). Tecnologias Gerenciais e Organizacionais:

Como o controle tradicional tornou–se insuficiente para fazer face às necessidades das organizações, foram criados sistemas de controle que pudessem dar uma visão de conjunto das diferentes dimensões do desempenho da organização. Indique a opção que define corretamente as ideias de Balanced scorecard.

a) É uma técnica que permite identificar os fatores críticos de sucesso que contribuem para o desempenho da organização.

b) É uma técnica focada na análise interna de pontos fortes e fracos e externa de ameaças e oportunidades.

c) É uma técnica que permite evidenciar as relações de causa e efeito entre diversos fatores de sucesso organizacional.

d) É uma técnica focada na busca da qualidade dos serviços prestados e excelência na gestão dos negócios.

e) É uma técnica focada em dimensões do desempenho da empresa que se podem desdobrar em medidas específicas e indicadores.

 

 

09. (ESAF / STN 2008) Sobre o uso do Balanced Scorecard, como ferramenta gerencial no âmbito de organizações públicas e instituições sem fins lucrativos, é incorreto afirmar:

a) o sucesso do uso do Balanced Scorecard, no caso de organizações públicas e instituições sem fins lucrativos, deve ser medido pelo grau de eficiência e eficácia com que essas organizações atendem às necessidades de seus participantes e clientes. O papel desempenhado pelas considerações financeiras será favorecedor ou inibidor, mas, raramente, será o objetivo básico.

b) o uso do Balanced Scorecard em organizações públicas e instituições sem fins lucrativos é inadequado, uma vez que toda sua estrutura é montada a partir dos objetivos financeiros, o que não reflete o contexto no qual essas organizações se inserem.

c) no caso de organizações públicas e instituições sem fins lucrativos, a perspectiva financeira do Balanced Scorecard passa a ser tratada como uma limitação e não como um objetivo. Assim, as metas relacionadas com a perspectiva financeira devem estar relacionadas com a limitação dos gastos e sua compatibilidade com orçamentos prévios.

d) no âmbito de organizações públicas e instituições sem fins lucrativos, o uso do Balanced Scorecard pode proporcionar foco, motivação e responsabilidade, oferecendo a base lógica para a existência de tais organizações (que é servir clientes e partes interessadas, além de manter os gastos dentro de limites orçamentários), e comunicando externa e internamente os resultados e os vetores de desempenho por meio dos quais elas realizarão sua missão e alcançarão seus objetivos estratégicos.

e) ao se aplicar o Balanced Scorecard em organizações públicas e instituições sem fins lucrativos, o simples fato de tais organizações operarem com gastos abaixo dos valores orçados não implica em eficácia e nem satisfação às necessidades dos clientes. Assim, em paralelo ao monitoramento dos gastos, devem ser criados indicadores capazes de analisar o nível e a qualidade dos serviços prestados.

 

 

10. (ESAF / CGU 2012). Tecnologias Gerenciais e Organizacionais:

Acerca da aplicabilidade da Gestão Estratégica ao setor público, é correto afirmar que

a) a Gestão Estratégica é dispensável para uma instituição como a Câmara dos Deputados, já que sua missão e seu papel encontramse inteiramente demarcados na Constituição Federal.

b) o modelo tradicional de BSC é totalmente adequado aos órgãos da administração pública, sendo desnecessárias quaisquer adaptações.

c) o uso dos preceitos de Gestão Estratégica apenas se justifica nas entidades da administração indireta, dadas sua natureza e finalidade.

d) a aplicação do BSC na administração pública dispensa preocupações com a perspectiva financeira, já que o lucro não é um de seus objetivos.

e) a perspectiva cliente é ponto fundamental de Gestão Estratégica ainda que, na administração pública, o conceito de clientela seja menos desenvolvido que na iniciativa privada.

 

Gestão de Mudanças e Conhecimento Simulado.

 

11. (ESAF / ENAP –2006) Indique a opção que define corretamente benchmarking.

a) Técnica por meio da qual a organização compara o seu desempenho com o de outra.

b) Capacidade que a organização tem de superar os concorrentes.

c) Capacidade que a organização tem de integrar as partes de um sistema.

d) Técnica gráfica de representação das atividades no tempo.

e) Técnica de geração de idéias que se baseia na suspensão de julgamento.

 

 

12. (ESAF / ANA 2009). Tecnologias Gerenciais e Organizacionais:

Sobre o benchmarking, compreendido como um processo de pesquisa contínuo e sistemático para avaliar produtos, serviços e processos de trabalho, com o propósito de melhoria organizacional, é correto afirmar:

a) não pode ser aplicado dentro da organização, uma vez que seus parâmetros, necessariamente, estão atrelados a outras organizações do mesmo porte existentes no mercado.

b) a ‘pirataria’ industrial é uma forma de benchmarking.

c) seus resultados, quando positivos, contribuem apenas para a melhoria de serviços, produtos e processos de trabalho, não favorecendo, porém, o planejamento organizacional.

d) aplicase apenas no âmbito do setor privado, não se prestando à organização pública ou privada sem fins lucrativos.

e) permite à organização comparar os seus serviços, produtos e processos de trabalho com os de outras organizações detentoras de melhores práticas.

 

 

13. Tecnologias Gerenciais e Organizacionais: (ESAF / RFB 2012) O Decreto n. 7.478, de 12 de maio de 2011, criou a Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade CGDC, do Conselho de governo. É competência desta Câmara

a) implementar iniciativas no âmbito de políticas de gestão, desempenho e competitividade.

b) supervisionar e acompanhar a implementação das decisões adotadas pelos ministérios e governos estaduais.

c) estabelecer diretrizes estratégicas e planos para formulação e implementação de políticas de melhoria da gestão da administração pública estadual.

d) identificar processos finalísticos e órgãos secundários de atuação para fortalecer a gestão de resultados na administração pública.

e) prestar assessoramento ao Presidente da República na formulação e implementação de mecanismos de controle e avaliação da qualidade do gasto público.

 

🔵 >>> Confira a nossa lista completa de exercícios sobre Administração.

 

Gabarito com as respostas das questões sobre administração na área de Novas tecnologias gerenciais e organizacionais e sua aplicação na Administração Pública:

01. D;
02. A;
03. B;
04. E;
05. C;
06. E;
07. A;
08. E;
09. B;
10. E;
11. A;
12. E;
13. E

Gostou desta lista de Exercícios? Não esqueça de compartilhar com seus amigos:

1 comentário em “Tecnologias Gerenciais e Organizacionais na Administração Pública”

Deixe um comentário