A América no Século XIX Exercícios

01. A América no Século XIX: (UFRJ) “Eu me recuso a aceitar que a águia crave suas garras em outras terras.”
(TWAIN, Mark. Patriotas e Traidores . São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003. p. 4.)

Embora inicialmente favorável à Guerra Hispano Americana, no trecho acima, escrito em 1900, o escritor Norte-americano Mark Twain pôs seu olhar crítico sobre as ambições dos EUA no processo que se convencionou chamar Expansão Imperialista.

a) Explique um dos motivos que levaram os EUA a intervir em Cuba, acontecimento que ficou conhecido como a Guerra Hispano-Americana (1898).
b) Identifique uma característica da política externa Norte-americana em relação à Europa entre 1898 e 1914.


02. (UERJ)
“Vá para o oeste, jovem, e cresça com o país.”
Essa expressão, criada por Horace Greeley, em 1851, simboliza a expansão territorial realizada pelos Estados Unidos ao longo do século XIX.
Cite duas estratégias utilizadas pelos EUA para a expansão de suas fronteiras, ao longo do século XIX.


03. A América no Século XIX: (UERJ) Relacione a “marcha para o oeste” com a doutrina do “Destino Manifesto”.


04. (Cesgranrio) O sonho de união da América Latina é muito antigo. Bolívar foi o primeiro que formulou o ideal de integração americana. Várias propostas surgiram posteriormente até chegarmos ao MercoSul. Assinale a opção que contém um dos objetivos de Bolívar.

a) Emancipar a América Latina como uma associação comercial unitária, que, posteriormente, daria origem à ALALC.
b) Desenvolver a industrialização no continente sob a hegemonia Norte-americana para fazer frente à forte economia inglesa.
c) Desenvolver a solidariedade continental em torno da hegemonia do Canadá, estabelecendo um intercâmbio direto deste com todos os países latinoamericanos.
d) Estabelecer uma política separatista respeitando as diferenças culturais e linguísticas entre os países latino-americanos.
e) Criar uma Confederação dos Estados Americanos face à possível contra-ofensiva da Europa apoiada pela Santa Aliança.


05. A América no Século XIX: (PUC-Rio) Assinale a opção que apresenta de maneira correta a relação entre:

I. Os movimentos de resistência às medidas administrativas impostas pelos Bourbons nas colônias espanholas em fins do século XVIII.
II. Os diferentes grupos sociais envolvidos.
III. As ideias defendidas pelos revoltosos nessas manifestações.

a) A oposição aos excessivos tributos cobrados sobre a exportação do açúcar nas colônias do Caribe espanhol – particularmente em Cuba – reuniu plantadores e comerciantes, artesãos e assalariados em revoltas urbanas com vistas à Independência e à constituição de governos republicanos na região.
b) No vice-reino da Nova Espanha, a oposição à cobrança da alcabala – o imposto sobre a venda de mercadorias – aos índios e mestiços, traduziu-se em inúmeros levantes indígenas; possuidora de forte cunho religioso, essa oposição culminaria na famosa revolta do Padre Hidalgo.
c) No vice-reino do Peru, Túpac Amaru liderou a oposição às autoridades locais, pregando o fim da prática do repartimiento, da cobrança da alcabala e da mita, mas se mantendo fel ao Rei da Espanha. Trabalhadores índios e mestiços, mineiros e artesãos lhe deram apoio em diferentes momentos da revolta.
d) No vice-reino de Nova Granada, a revolta dos chamados Comuneros caracterizou-se pela oposição ao aumento na alcabala e aos novos impostos. Com o brado de “viva o Rei e morra o mau governo”, líderes criollos reuniram uma multidão de camponeses índios, mestiços e escravos contra o vice-rei.
e) No vice-reino do Prata, a conjuração em Buenos Aires manifestou desde cedo a intenção de ruptura com os laços coloniais, reunindo membros da elite de comerciantes e mineiros e excluindo mulatos e negros livres ligados ao artesanato e ao pequeno comércio urbano.


06. A América no Século XIX: (Unesp) Leia o texto e responda.
Na década de 1820, a maioria dos países latino-americanos obtém a Independência política. A emancipação política foi resultado da ação dos crioulos”. Em 1824, referindo-se à Independência, Lord Canning – ministro das relações exteriores da Inglaterra – afrmou: “A América espanhola é livre. Se nós não manejarmos mal os nossos interesses, ela é inglesa”.

a) Identifique os “crioulos”.
b) Justifique a afirmação de Canning.


07. (UFMG) Para a América espanhola [e, pode-se acrescentar, para o Brasil oitocentista e os Estados Unidos], o Haiti foi um exemplo e uma advertência, observados com crescente horror tanto por governantes como por governados.
(LYNCH, John. In: BETHELL, Leslie (Org.). História da América Latina. São Paulo: Edusp;

Imprensa Oficial do Estado; Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2001. v. 3, p. 69.)
Nesse trecho, faz-se referência:
a) ao subdesenvolvimento e à miséria da ilha caribenha, país mais pobre da América Latina.
b) à desagregação da sociedade haitiana, reforçada pelas constantes turbulências econômicas.
c) ao aumento crescente da influência dos ideais anarquistas e evolucionistas na ilha caribenha.
d) ao processo de Independência da ilha, marcado por uma subelevação maciça de escravos negros.


08. A América no Século XIX: (UFV) O domínio que as Metrópoles europeias exerciam sobre as diversas colônias americanas começou a sofrer mudanças a partir da segunda metade do século XVIII. Sobre esse período, em se tratando dos processos de Independência ou emancipação dessas colônias, é correto dizer que:

a) os movimentos de contestação ao controle metropolitano na América tiveram como consequência a libertação econômica e política das colônias, o que
resultou na formação de nações americanas soberanas, semelhantes às que se conhecem hoje.
b) a partilha do território espanhol na América foi desencadeada a partir da emancipação das colônias, processo conduzido pela elite “criolla”, com apoio de índios, escravos e comerciantes, que teve o objetivo de manter a forma de governo monárquico.
c) a Guerra dos sete anos teve como consequência a decretação de impostos para aumentar a arrecadação nas Treze Colônias, o que desencadeou o confronto armado, entre ingleses e colonos, conhecido como Massacre de Boston.
d) a colonização de povoamento nas colônias do Norte da América possibilitou o acúmulo de capital e a formação de uma elite empresarial dinâmica e  autogestionada, desencadeando um processo de Independência de caráter pacífico e negociado.
e) as revoltas que antecederam a emancipação política brasileira envolveram membros da elite rural, classes médias urbanas e escravos, como a Confederação do  Equador, a Sabinada e a Balaiada, que tinham o intuito de manter a integridade do território nacional.


09. (UFRJ) “Trens regurgitando com imigrantes de todos os países do mundo chegaram sem parar às terras baixas. (…) todos misturados nessa maré de procuradores de terras que seguia para onde o Sol se punha, onde um vale de terras férteis havia sido destinado pelo bondoso  Tio Sam ao enriquecimento de todos os homens… As ruas se enchiam de estranhos. Toda a conversa era sobre quinhões, lotes e terras. Pouco a pouco, à medida que o Sol se punha, os ‘procuradores’ voltavam de suas excursões ao território sem dono, famintos, cansados, mas jubilantes.”
(GARLAND, Hamlin séc. XIX.)

A expansão territorial dos EUA no século XIX, ocorrida através da anexação, da compra e da incorporação de territórios conquistados em guerras, completou-se
em 1867. Nesse processo de expansão, destaca-se a contribuição de milhões de imigrantes europeus no povoamento do território.

a) Cite duas consequências da expansão territorial dos EUA no século XIX.
b) Explique um fator conjuntural europeu que tenha contribuído para o aumento da emigração para a América na segunda metade do século XIX.


10. A América no Século XIX: (Fuvest) A Independência das colônias hispânicas da América pode ser compreendida como o resultado da ação de fatores externos e internos. Quais foram esses fatores? Comente-os.


🔵 >>> Confira todas as nossas questões sobre a História Mundial.


Gabarito com as respostas dos exercícios de História Mundial sobre A América no Século XIX:

01. a) Pode-se considerar um dos seguintes motivos: o interesse de empresários e do governo Norte-americano em intervir no comércio açucareiro de Cuba, responsável, na época, por quase metade da produção mundial de açúcar; a importância estratégica de Cuba por resguardar o acesso ao mar do Caribe; o desejo dos EUA de reduzir a presença europeia na América.
b) A opção pela neutralidade, ou seja, a não interferência Norte-americana nos conflitos internos europeus; a sinalização feita aos países da Europa para que esses, por sua vez, respeitassem a América Latina como área preferencial de influência Norte-americana.


02. Duas dentre as formas de expansão territorial:
Compra de territórios (Flórida, Alasca).
Guerras (contra o México e a Espanha).
Negociação com potências estrangeiras (Grã-Bretanha e Rússia).

03. A “marcha para o oeste” significou a anexação dos territórios situados a oeste da faixa atlântica, trecho original do país ao declarar sua Independência e teve como justificativa ideológica a doutrina do “Destino Manifesto” que pregava a ideia de que os americanos tinham sido predestinados a dominarem a América.


04. E; 

05. C;


06.a) Elite aristocrática, filhos de espanhóis nascidos na América.
b) Refere-se à interferência inglesa no processo de Independência e seus interesses expansionistas.


07. D;

08. C;

09. a) Cite duas consequências da expansão territorial dos EUA no século XIX.
b) Explique um fator conjuntural europeu que tenha contribuído para o aumento da emigração para a América na segunda metade do século XIX.

10. a) Internos: a luta dos criollos; o desenvolvimento regional desigual e o desejo de emancipação.
b) Externos: a crise do Antigo Regime a Independência dos EUA, a Revolução Francesa; as Guerras Napoleônicas e a deposição do rei espanhol.

Gostou desta lista de Exercícios? Não esqueça de compartilhar com seus amigos:

Deixe um comentário