Descolonização Afroasiática Questões Resolvidas

01. Descolonização Afroasiática: (UFF) A descolonização e as lutas pela libertação nacional dos países africanos imprimiram, após a Segunda Guerra Mundial, uma nova divisão territorial no  continente africano. Considere esse processo de descolonização e analise as afirmativas.

I. A dominação imperialista da Europa sobre o território africano foi denunciada pelo filósofo e escritor Sartre, considerado a grande voz da consciência europeia anticolonialista.
II. A Frente de Libertação Argelina foi a principal organização que, lutando pela independência da Argélia, conseguiu libertá-la do colonizador português.
III. As guerras de independência das colônias portuguesas revelaram a fragilidade do sistema econômico e social da metrópole que, à época, encontrava-se sob o governo de Salazar.

IV. A Conferência de Bandung, em 1955, da qual participaram os países recém-liberados da dominação colonial, representou um importante estímulo para o processo de descolonização de países africanos.
V. A libertação de Angola deu-se por via pacífica, tendo sido selada, em 1974, pelo Acordo de Alvor, celebrado entre o Movimento Popular de Libertação de Angola e o governo português.

As afirmativas que estão corretas são as indicadas por:
a) I, II e III
b) I, III e IV
c) I, IV e V
d) II, III e IV
e) III, IV e V


02. Descolonização Afroasiática: (PUC-Rio) As lutas pela descolonização transformaram profundamente o mapa político mundial na segunda metade do século XX. As alternativas abaixo relacionam características importantes dos Estados nacionais surgidos na África e Ásia ao longo desse período, com exeção de uma. Qual?

a) A maioria dos novos Estados nacionais adotou sistemas políticos e modelos de governo ocidentais inspirados nas experiências de suas metrópoles.
b) Os Estados recém-constituídos conseguiram construir uma identidade política sólida, o que permitiu a organização do movimento dos países “não-alinhados”, em Bandung, na Indonésia.

c) Na maioria dos novos países, coube ao Estado tomar para si as tarefas de modernização e crescimento econômico com o objetivo de promover o desenvolvimento nacional.
d) Nos países em que a independência se realizou por meio de revoluções sociais, os novos Estados tenderam para o modelo soviético.
e) Nos processos de independência conseguidos por meio de guerras contra as antigas metrópoles, os exércitos nacionais e suas lideranças acabaram por desempenhar um papel de destaque na política nacional dos novos Estados.


03. Descolonização Afroasiática: (UFRJ). A colonização europeia da África, iniciada efetivamente em fins do século XIX, resultou na conquista de inúmeros Estados e de territórios de etnias igualmente diversas. A partir do processo de descolonização, observa-se o acirramento dos conflitos nos Estados recém-formados. Jovem combatente africano segura a arma, onde se lê: “guerra é minha comida”.
(Molly Bingham for Human Rights Watch.)

Relacione o processo de constituição de fronteiras dos países da África contemporânea com as guerras civis, que ocorrem em diversas regiões daquele continente.


04. Descolonização Afroasiática: (UFF) Quando comparada à revolução chinesa, a independência indiana adquire uma singularidade que, ainda hoje, desperta a atenção dos estudiosos. Ao contrário de uma revolução comunista, a índia adquiriu sua independência pela via pacífica. Identifique o comentário que se refere, corretamente, à política implementada por Gandhi para obter a independência.

a) A política de desobediência civil, cujo exemplo foi a chamada Marcha do Sal, fundamentava-se no princípio da resistência pela violência.
b) O sistema hindu, fundado na igualdade social e no sistema de castas, representou um obstáculo à independência indiana.
c) Parte significativa da burguesia indiana apoiou a política de Gandhi, pois o seu programa de defesa do produto nacional ajudava a combater a concorrência dos materiais ingleses.
d) A doutrina da dignidade do trabalho defendida por Gandhi implicava a defesa intransigente de greves de cunho político.
e) O principal impulso do programa de Gandhi era a proposta de reformulação da aldeia tradicional com a introdução da mecanização no campo.


05. Descolonização Afroasiática: (UFES) “Foi em 1968 que os Beatles cantaram a famosa música ‘Revolution’, fazendo sucesso ao som de um instrumento hindu, a cítara, aliada à guitarra elétrica.”

“(…) E exprimia o novo mundo que se impunha, com ramos americanos, japoneses, africanos e indianos se cruzando, se interpondo no panorama da história
contemporânea. A ‘mancha branca’; que tanto ameaçara os continentes asiático e africano, parecia perder a força em contato com a ‘sombra’ amarela e a preta que, de forma revolucionária, tomava conta da Terra, tentando mudar o mundo (…).”
“Nessa década, trinta nações africanas irromperam no cenário mundial. Só nos doze primeiros meses, conhecidos como o ‘Ano da África’, dezessete países
conseguiram sua independência política (…).”
(CANEDO, Leticia Bicalho. A Descolonização da Ásia e da África. 8. ed. São Paulo: Atual, 1992, p. 33.)

O texto anterior se refere à década de 60 deste século, importantíssima para a descolonização da África. Sabemos, entretanto, que a emergência do continente africano se dá após 1955, sendo a região do Magrheb, com exclusão da Argélia, a primeira a se tornar independente, em 1956.
Qual a importância da Conferência de Bandung (Indonésia) para o início da descolonização da África?


06. Descolonização Afroasiática: (FGV-SP) “ […] em 1955, em Bandung, na Indonésia, reuniram-se 29 (…) países que se apresentavam como do Terceiro Mundo. Pronunciaram-se pelo socialismo e pelo neutralismo, mas também contra o Ocidente e contra a União Soviética, e proclamaram o compromisso dos povos liberados de ajudar a libertação dos povos dependentes […]” A conferência a que o texto se refere é apontada como um:

a) indicador da crise do sistema colonial por representar os interesses dos países que estavam sofrendo as consequências do processo de industrialização
na Europa.
b) indício do processo de globalização da economia mundial uma vez que suas propostas defendiam o fim das restrições alfandegárias nos países periféricos.
c) sintoma de esgotamento do imperialismo americano no Oriente Médio, provocado pela quebra do monopólio nuclear a favor dos árabes.
d) sinal de desenvolvimento da economia dos denominados “tigres asiáticos” que valorizou o planejamento estratégico, a industrialização independente
e a educação.
e) marco no movimento descolonizador da África e da Ásia que condenou o colonialismo, a discriminação racial e a corrida armamentista.


07. Descolonização Afroasiática: (FGV-SP) Em novembro de 1954, com a guerra da independência da Argélia já iniciada, François Mitterrand, então Ministro do Interior da França, declarava: “A Argélia e a França não se negocia”. O que seguiu foi:

a) uma revolta popular de grandes proporções, culminando com eleições livres e diretas em 15 de maio de 1968.
b) um longo combate entre a França e a Argélia, culminando com a derrota francesa e a convocação de um Plebiscito geral em 31 de março de 1965.
c) uma violenta guerra de libertação, que custou a vida de quase 100 mil pessoas a cada ano e culminou com a independência da Argélia, em 3 de julho de 1962.
d) um levante político partidário envolvendo grande contingente de militantes e culminou com a intervenção das Nações Unidas, por meio de uma força de paz, em 9 de julho de 1964.
e) uma rebelião de militares de esquerda, que culminou com a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte em 25 de agosto de 1967.


08. Descolonização Afroasiática: (UFMG) “O colonialismo em todas as suas manifestações, é um mal a que deve ser posto fm imediatamente.” Os argumentos dessa reinvidicação, expressa na Conferência de Bandung (1955), estavam fundamentados:

a) na Carta das Nações Unidas e Declaração dos Direitos do Homem.
b) na Encíclica Rerum Novarum e nas resoluções do Concílio Vaticano II.
c) na estratégia revolucionária do Kominform para as regiões coloniais.
d) na Teoria do Efeito Dominó do Departamento de Estado americano.
e) nas teorias de revolução e imperialismo do marxismo-leninismo.


09. Descolonização Afroasiática: (Fatec) A descolonização do Oriente Médio enfrentou sérias dificuldades decorrentes, entre outras razões, das arbitrariedades cometidas na demarcação dos territórios de cada uma das novas nações. Esse procedimento, ao tentar solucionar os problemas dos ex-dominadores, dividiu grupos tradicionais, tirando-lhes regiões ricas ou estratégicas, colocando, com isso, os nascentes Estados em rivalidade permanente e levando, algumas vezes, ao surgimento de guerras como a Guerra dos Seis Dias (1967). Esse conflito trouxe como principal problema para aquela região:

a) o boicote petrolífero determinado pela OPEP contra os países do Ocidente.
b) a guerra civil no Líbano após a queda de Nasser no Egito.
c) a ocupação por Israel de vários territórios árabes, principalmente a margem ocidental do rio Jordão.
d) a internacionalização de Jerusalém e a ocupação israelense em Golan.
e) o fechamento do Canal de Suez e a ocupação egípcia da região do Sinai.


10. Descolonização Afroasiática: (UFV) Diante da polarização internacional entre os EUA e a URSS, vários representantes de Estados da África e da Ásia, entre os quais Paquistão, Índia, Ceilão, Birmânia e Indonésia, recém-independentes, reuniramse, em 1955, na chamada Conferência de Bandung e se autodenominaram países de Terceiro Mundo. Esta conferência prenunciou a conferência de 1961, em Belgrado, Iugoslávia, quando se instituiu o Movimento dos Países Não-Alinhados. Assinale a alternativas que não corresponde às intenções estabelecidas em Bandung.

a) O reconhecimento da legitimidade de cada nação defender-se, individualmente ou coletivamente, e posição contrária às ingerências externas em assuntos internos às nações.
b) A defesa da posição de respeito à soberania e integridade territorial das nações e dos direitos humanos fundamentais previstos na Carta das Nações
Unidas.
c) O anúncio de um acordo entre os países participantes, visando compor um bloco militar de oposição a soviéticos e americanos, em resposta às pressões colonialistas da Guerra Fria.

d) A proposta de solução pacífica para conflitos por meio de negociações, conciliações, arbitragens e acordos perante tribunais internacionais ou quaisquer outras formas pacíficas de acordo entre interessados.
e) A abstenção ou recusa de participação em atos e ameaças de agressão, e não-envolvimento com preparativos de defesa coletiva que servissem aos interesses particulares das grande potências.


🔵 >>> Confira todas as nossas questões sobre a História Mundial.


Gabarito com as respostas das questões sobre a Descolonização Afroasiática:

01. B;
02. C;


03. Sob o lema “Dividir para governar”, as potências imperialistas que dominaram a África colocaram sob o seu jugo, num mesmo território, diferentes etnias e muitas rivais entre si, adotando políticas de acirramento da consciência tribal. Após a independência, em muitas nações africanas as rivalidades étnicas, associadas às diferenças ideológicas e à precariedade econômica herdada da exploração colonial, têm sido motivo para as sangrentas guerras civis que continuam a assolar, sobretudo a África Negra.

04. C;


05. A Conferência de Bandung conclamou a unidade do Terceiro Mundo e afirmou a soberania dos participantes contra a ingerência das potências em suas questões internas, portanto um marco na luta pela descolonização.


06. E;
07. C;
08. A;
09. C;
10. C

Deixe um comentário