História do Brasil: Período Joanino Exercícios

01. Período Joanino: (UESPI-PI–2010) A chamada Revolução Liberal do Porto, de 1820, entre seus desdobramentos, contribuiu para a declaração da Independência do Brasil, uma vez que:
A) entre as reivindicações do movimento estava a volta de D. João VI a Portugal e a recondução do Brasil à condição de colônia.
B) o seu caráter liberal não aceitava o regime monárquico, pretendendo instituir o parlamentarismo no Brasil e em Portugal.
C) a Abertura dos Portos do Brasil, em 1808, e o Tratado  de 1810 fortaleceram a economia portuguesa quepassou, então, a exigir a presença da Corte.
D) na organização das cortes gerais e na constituinte, a presença de deputados brasileiros não foi permitida.
E) propiciou a formação dos partidos Brasileiro e Português, que, unidos, articularam o movimento de Independência do Brasil.

 

 

02. Período Joanino: (UFG–2008) Leia os fragmentos a seguir.
Não corram tanto ou pensarão que estamos fugindo!
REVISTA DE HISTÓRIA DA BIBLIOTECA NACIONAL. Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, jul. 2005. p. 24.

Preferindo abandonar a Europa, D. João procedeu com exato conhecimento de si mesmo. Sabendo-se incapaz de heroísmo, escolheu a solução pacífica de encabeçar o êxodo e procurar no morno torpor dos trópicos a tranquilidade ou o ócio para que nasceu.
MONTEIRO, Tobias. História do Império: a elaboração da Independência. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1981. p. 55 (Adaptação).


O embarque da família real para o Brasil, em 1807, deu origem a contraditórias narrativas. A frase anterior, atribuída à rainha D. Maria I, tornou-se popular, passando a constituir uma versão narrativa ainda vigorosa. Nos anos de 1920, os estudos sobre a Independência refizeram o percurso do embarque, assegurando uma interpretação republicana sobre esse acontecimento, tal como exemplificado no trecho do jornalista e historiador Tobias Monteiro. Sobre essa versão narrativa em torno do embarque, pode-se dizer que pretendia:

A) conquistar a simpatia da Inglaterra, ressaltando a importância do apoio inglês no translado da Corte portuguesa para o Brasil.
B) associar a figura do rei ao pragmatismo político, demonstrando que o deslocamento da Corte era um ato de enfrentamento a Napoleão.
C) ridicularizar o ato do embarque, agregando à interpretação desse acontecimento os elementos de tragédia, comicidade e ironia.
D) culpabilizar a rainha pela decisão do embarque, afirmando-lhe o estado de demência lamentado por seus súditos.
E) explicar o financiamento do ócio real por parte da colônia, comprovando que o embarque fora uma estratégia articulada pelo rei.

 

03. Período Joanino: (PUC Rio) À EXCECÃO de uma, as alternativas a seguir apresentam de modo correto algumas das transformações culturais e científicas promovidas pelo Governo Joanino (1808-1821), durante a permanência da Corte portuguesa no Brasil. Assinale-a:
A) Ainda que tivessem sido criados a Impressão Régia e o primeiro jornal do Brasil, a existência da censura e a ação da Intendência Geral de Polícia coibiriam com sucesso a difusão de ideias contrárias ao Governo Joanino.
B) Pouco depois de chegar ao Brasil, D. João fundou o Real Horto (o Jardim Botânico do Rio de Janeiro), onde foram aclimatadas e introduzidas novas espécies vegetais.
C) Logo após a elevação do Brasil à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves, o Príncipe Regente autorizou a vinda da Missão Artística Francesa, chefiada por Joaquim Lebreton, da qual faziam parte artistas como Jean-Baptiste Debret.
D) Com o acervo trazido do velho reino, foi criada a Biblioteca Real, origem da atual Biblioteca Nacional.
E) Chegaram à América Portuguesa cientistas e viajantes estrangeiros, como o zoólogo Spix, o botânico Martius e o naturalista Saint-Hilaire, que percorreram o território realizando inventários de comunidades, da geografia, da fauna e da flora.

 

 

04. Período Joanino: (UFF-RJ) Nas primeiras décadas do século XIX, ocorreu uma verdadeira “redescoberta do Brasil”, como identificou Mary Pratt, graças à ação de inúmeros viajantes europeus,  bem como às missões artísticas e científicas que percorreram o território, colhendo diversas informações sobre o que aqui existia. Foram registrados os diversos grupos humanos encontrados, legando-nos um retrato de diversos tipos sociais. Rica e fundamental foi a descrição que fizeram da natureza, revelando ao mundo diferenciadas flora e fauna. Entretanto, até o início dos oitocentos, os estrangeiros foram proibidos de percorrer as terras brasileiras, e eram quase sempre vistos como espiões e agentes de outros países.

O grande afluxo de artistas e cientistas estrangeiros ao Brasil está ligado:
A) à política joanina, no sentido de modernizar o Rio de Janeiro, inclusive com o projeto de criar uma escola de ciências, artes e ofícios.
B) à pressão exercida pela Inglaterra, para que o governo de D. João permitisse a entrada de cientistas e artistas no Brasil.
C) à transferência da capital do Império Português de Salvador para o Rio de Janeiro, modificando o eixo econômico da colônia.
d) à reafirmação do pacto colonial, em função das proposições liberais da Revolução do Porto.
E) à política de vários países europeus, que buscavam ampliar o conhecimento geral sobre o mundo, na esteira do humanismo platônico.

 

Rebeliões Nativistas e Separatistas Atividades.

 

05. Período Joanino: (Enem–2009) As imagens reproduzem quadros de d. João VI e de seu filho d. Pedro I nos respectivos papéis de monarcas. A arte do retrato foi amplamente utilizada pela nobreza ocidental, com objetivos de representação política e de promoção social. No caso dos reis, essa era uma forma de se fazer presente em várias partes do reino e, sobretudo, de se mostrar em majestade.

Imagem I

Jean-Baptiste Debret, Retrato de D. João VI, 1817, óleo s/ tela, 0,60m x 0,42m. Acervo do Museu de Belas Artes/IPHAN/MINC. Rio de Janeiro.


Imagem II

Henrique José da Silva. Retrato do imperador em trajes majestáticos. Gravura sobre metal feita por Urbain Massard 0,64m x 0,44m. Acervo do Museu Imperial.
Disponível em: <http://www.scielo.br>. Acesso em : 17 dez. 2008.

A comparação das imagens permite concluir que:
A) as obras apresentam substantivas diferenças no que diz respeito à representação do poder.
B) o quadro de D. João VI é mais suntuoso, porque retrata um monarca europeu típico do século XIX.
C) os quadros dos monarcas têm baixo impacto promocional, uma vez que não estão usando a coroa, nem ocupam o trono.
D) a arte dos retratos, no Brasil do século XIX, era monopólio de pintores franceses, como Debret.
E) o fato de pai e flho aparecerem pintados de forma semelhante sublinha o caráter de continuidade dinástica, aspecto político essencial ao exercício do poder régio.

 


06. Período Joanino: (Enem–2010) Eu, o príncipe regente, faço saber aos que o presente Alvará virem: que desejando promover e adiantar a riqueza nacional, e sendo um dos mananciais  dela as manufaturas e a indústria, sou servido abolir erevogar toda e qualquer proibição que haja a este respeito no Estado do Brasil.
ALVARÁ de liberdade para as indústrias (1º de Abril de 1808). In: BONAVIDES, P.; AMARAL, R. Textos políticos da História do Brasil. Vol. 1. Brasília: Senado Federal, 2002 (Adaptação).

O projeto industrializante de D. João, conforme expresso no alvará, não se concretizou. Que características desse período explicam esse fato?
A) A ocupação de Portugal pelas tropas francesas e o fechamento das manufaturas portuguesas.
B) A dependência portuguesa da Inglaterra e o predomínio industrial inglês sobre suas redes de comércio.
C) A desconfiança da burguesia industrial colonial diante da chegada da família real portuguesa.
D) O confronto entre a França e a Inglaterra e a posição dúbia assumida por Portugal no comércio internacional.
E) O atraso industrial da colônia provocado pela perda de mercados para as indústrias portuguesas.

 


07. Período Joanino: (Enem–2010) Em 2008, foram comemorados os 200 anos da mudança da família real portuguesa para o Brasil, onde foi instalada a sede do reino. Uma  sequência de eventos importantes ocorreu no período 1808-1821, durante os 13 anos em que D. João VI e a família real portuguesa permaneceram no Brasil.
Entre esses eventos, destacam-se os seguintes:
• Bahia – 1808: Parada do navio que trazia a família real portuguesa para o Brasil, sob a proteção da Marinha britânica, fugindo de um possível ataque de Napoleão.
• Rio de Janeiro – 1808: desembarque da família real portuguesa na cidade onde residiram durante sua permanência no Brasil.

• Salvador – 1810: D. João VI assina a carta régia de Abertura dos Portos ao comércio de todas as nações amigas, ato antecipadamente negociado com a Inglaterra em troca da escolta dada à esquadra portuguesa.
• Rio de Janeiro – 1816: D. João VI torna-se rei do Brasil e de Portugal, devido à morte de sua mãe, D. Maria I.
• Pernambuco – 1817: As tropas de D.João VI sufocam a Revolução Republicana.

GOMES, L. 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma Corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil. São Paulo: Editora Planeta, 2007 (Adaptação).


Uma das consequências desses eventos foi:
A) a decadência do Império Britânico, em razão do contrabando de produtos ingleses através dos portos brasileiros.
B) o fim do comércio de escravos no Brasil, porque a Inglaterra decretara, em 1806, a proibição do tráfico de escravos em seus domínios.
C) a conquista da região do Rio da Prata em represália à aliança entre a Espanha e a França de Napoleão.
D) a abertura de estradas, que permitiu o rompimento do isolamento que vigorava entre as províncias do pais, o que dificultava a comunicação antes de 1808.
E) o grande desenvolvimento econômico de Portugal após a vinda de D. João VI para o Brasil, uma vez que cessaram as despesas de manutenção do rei e de sua família.

 

🔵 >>> Confira a nossa lista completa de exercícios sobre a História do Brasil.

 

Gabarito com as respostas das questões de História do Brasil sobre o Período Joanino:

01. A; 02. C; 03. A; 04. A;  05. E; 06. B; 07. C

Deixe um comentário