Abolição da Escravatura no Brasil Exercícios Completos

01. PUC-SP. Abolição da Escravatura: A enorme visibilidade do poder era sem dúvida em par­te devida à própria monarquia com suas pompas, seus rituais, com o carisma da figura real. Mas era também fruto da centralização política do Estado. Havia quase unanimidade de opinião sobre o poder do Estado como sendo excessivo e opressor ou, pelo menos, inibidor da iniciativa pessoal, da liberdade individual. Mas (…) este poder era em boa parte ilusório. A burocracia do Estado era macrocefálica: tinha cabeça grande, mas bra ços muito curtos. Agigantava-se na corte, mas não alcan çava as municipalidades e mal atingia as províncias (…) Daí a observação de que, apesar de suas limitações no que se referia à formula ção e im­plementa ção de políticas, o governo passava a imagem do todo-poderoso, era visto como o responsável por todo o bem e todo o mal do Império.
Carvalho, J. Murilo de. Teatro de sombras. Rio de Janeiro: IUPERJ/Vértice, 1988.

O fragmento acima refere-se ao II Império brasileiro, controlado por D. Pedro II e ocorrido entre 1840 e 1889. Do ponto de vista político, o Segundo Império pode ser representado como:
a) palco de enfrentamento entre liberais e conserva­dores que, partindo de princípios políticos e ideoló­gicos opostos, questionaram, com igual violência, essa aparente centralização indicada na citação acima e se uniram no Golpe da Maioridade.
b) jogo de aparências, em que a atuação política do imperador conheceu as mudanças e os momen­tos de indefinição referidos no texto – refletindo as próprias oscilações e incertezas dos setores sociais hegemônicos – como bem exemplificado na questão da abolição.

c) cenário de várias revoltas de caráter regionalista – entre elas a Farroupilha e a Cabanagem – devido à incapacidade do governo imperial de controlar, conforme mencionado na citação, as províncias e regiões mais distantes da capital.
d) universo de plena difusão das idéias liberais, o que implicou uma aceitação por parte do imperador da diminuição de seus poderes, conformando a situa­ção apontada na citação e oferecendo condições para a Proclamação da República.
e) teatro para a plena manifestação do Poder Mode­rador que, desde a Constituição de 1824, permitia amplas possibilidades de intervenções políticas para o imperador – daí a idéia de centralização da citação – e que foi usado, no Segundo Reinado, para encerrar os conflitos entre liberais e socialistas.


02. UFG-GO. Era um sonho dantesco … O tombadilho Que das luzernas avermelha o brilho,
Em sangue a se banhar. Tinir de ferros … estalar de açoite …
Legiões de homens negros como a noite Horrendos a dançar…
Alves, Castro. O navio negreiro. Canto da esperança. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990. p 127.

O poema O navio negreiro (1868), ao descrever as condições desumanas do tráfico de escravos, trans­formou-se em símbolo da campanha abolicionista na década de 1870. No entanto, deve-se ressaltar que o marco de mudança das relações escravistas ocorreu em 1850, com a Lei Eusébio de Queirós. Fazem parte dessas modificações, além da abolição do tráfico de escravos, o impulso à imigração, um incipiente surto industrial, a modernização e o crescimento das cida­des. Sobre esse contexto:

a) descreva a atuação da Inglaterra na extinção do tráfico de escravos da África para o Brasil;
b) estabeleça a relação entre a extinção do tráfico de escravos africanos para o Brasil e o início da industrialização brasileira.


03. FGV-SP. Abolição da Escravatura:
Leia as afirmativas acerca da economia brasileira do século XIX.

I. A expansão da malha ferroviária, na segunda metade do século, tem relação direta com o forte desenvolvimento da economia açucareira.
II. O fim do tráfico negreiro, em 1850, trouxe como decorrência a liberação de capitais para outras atividades econômicas.
III. A Tarifa Alves Branco (1844), criada para aumentar as receitas do governo imperial, revelou-se uma medida protecionista.
IV. Em função da Lei de Terras (1850), ampliou-se o acesso à terra por parte de imigrantes e ocorreu a expansão da pequena e média propriedade.
V. A Lei do Ventre Livre (1871) e a Lei dos Sexagená­rios (1885) faziam parte de um projeto de abolição gradual da escravidão.

São corretas as afirmativas:
a) I e II, apenas.
b) II, III e IV, apenas.
c) II, III e V, apenas.
d) II, III, IV e V, apenas.


04. UFF-RJ. Abolição da Escravatura: A segunda metade do século XIX foi marcada pelo apogeu do cientificismo no mundo ocidental. A ciência transformava-se na panacéia para todos os males, capaz de indicar soluções para tudo, inclusive prever, controlar e disciplinar os homens e seus comportamen­tos. Desde o evolucionismo de Darwin até o positivismo de Augusto Comte, a idéia de progresso servia como “bússola” no caminho da modernidade.

À luz dessas informações, indique a opção que define o contexto de introdução das idéias positivas no Brasil.
a) O positivismo ganhou destaque no Brasil ao penetrar na Escola Militar do Rio de Janeiro, que preparava jovens oficiais com vistas à abolição da escravidão e à implantação do regime republicano.
b) O positivismo penetrou no Brasil através da visita de uma missão militar inglesa ao país, atingindo seu apogeu com a Proclamação da República por Deodoro da Fonseca, um de seus principais líderes.

c) A idéia de progresso contida no positivismo baseava-se na crença em um estágio superior da evolução humana a ser atingido, no caso do Brasil, quando toda a população do país fosse alfabetizada e gozasse de cidadania política.
d) O positivismo difundiu-se no Brasil sobretudo atra­vés da juventude militar formada pela Escola da Praia Vermelha, que valorizava o mérito individual e acreditava na Ciência Positiva como religião da humanidade, em oposição ao catolicismo.
e) A difusão do positivismo no Brasil deveu-se à sua penetração no Exército, envolvendo tanto a juventude militar quanto suas lideranças formadas pelos oficiais de alta patente, dentre eles, Deodoro da Fonseca e Caxias.


05. UERJ. Abolição da Escravatura: Sobre o clima político existente no final do império no Brasil, quanto da abolição da escravatura, em 1888. A melhor interpretação da conjuntura política que levou à deposição do imperador Pedro II é:

a) a existência de conflitos entre republicanos e militares, que possuíam uma posição antiabolicionista.
b) as tensões nos setores pobres e excluídos da população urbana, que temiam o retorno da escravidão com a República.
c) a perda de apoio de parte das elites proprietárias de escravos e terras, que se sentiu traída pela abolição da escravatura.
d) as críticas da imprensa abolicionista e republicana, que responsabilizava os proprietários de terras pela manutenção da escravidão.


06. Cesgranrio-RJ. A proclamação da República, em 1889, está ligada a um conjunto de transformações econômicas, sociais e políticas ocorridas no Brasil, a partir de 1870, dentre as quais se inclui:

a) a universalização do voto com a reforma eleitoral de 1881, efetivada pelo Partido Liberal.
b) o desenvolvimento industrial do Rio de Janeiro e de São Paulo, criando uma classe operária com­bativa.
c) a progressiva substituição do trabalho escravo, culminando com a abolição, em 1888.
d) a concessão de autonomia provincial, que enfra­queceu o governo imperial.
e) o enfraquecimento do Exército, após as dificuldades e os insucessos durante a Guerra do Paraguai.


07. Unicamp-SP. Abolição da Escravatura: As palavras a seguir foram ditas por um diplomata inglês, no século XIX.
Nossas colônias não têm mais escravos. Por que out ras áreas tropicais haverão de ter? Estamos montando ne­gócios na África. Por que continuar com o tráfico negrei­ro, que tira nossa mão-de-obra de lá? Além disso, nem a servidão nem a escravidão cabem mais no mundo de hoje. Viva o trabalho assalariado! E que os salários sejam gastos na compra das nossas mercadorias.

a) De acordo com esse diplomata, que interesses teria a Inglaterra em acabar com o tráfico de escravos e com a escravidão?
b) No Brasil, que outros motivos levaram à abolição da escravidão?


08. UFJF-MG. No que diz respeito à abolição da escravatura, o Bra­sil passou por um lento processo de mudanças que culminou com a Lei Áurea, em 1888. Acerca desse processo, assinale a alternativa incorreta:

a) A Lei do Ventre Livre, defend ida majoritariamente por deputados das principais províncias cafeeiras, proporcionava a liberdade somente aos filhos dos escravos nascidos no Brasil.
b) O movimento abolicionista cresceu nas zonas urbanas como também as pressões escravas, através de fugas e rebeliões.
c) A Lei dos Sexagenários, que concedeu liberdade aos escravos com mais de 60 anos, teve alcance pouco significativo, podendo ser avaliada como uma concessão para frear o movimento abolicionista.
d) a Lei Eusébio de Queirós, que extinguiu o tráfico negreiro, resultou, sobretudo, das pressões ingle­sas, da necessidade de expansão dos mercados consumidores e da preocupação com a defesa dos direitos humanos.


09. Vunesp. O Segundo Reinado, preso ao seu contexto histórico, não foi capaz de dar resposta às novas exigências de mudanças. Quando se analisa a degradação da ordem monárquica imperial brasileira, percebe-se que ela se relacionou principalmente com a:

a) estrutura federativa vigente e a conspiração tute­lada pelo Exército.
b) bandeira do socialismo, levantada pelos positivis­tas.
c) eliminação da discriminação entre brancos e ne­gros.
d) forte diferenciação ideológica entre partidos polí­ticos.
e) abolição da escravidão e o desinteresse das elites agrárias com a sorte do trono.


10. Vunesp. Abolição da Escravatura: Observada a abolição de uma perspectiva ampla, compro va-se que a mesma constituiu uma medida de caráter mais político que econômico.
Celso Furtado. Formação econômica do Brasil.

Interprete o texto apresentado, começando pela análise dos interesses divergentes escravistas/an­tiescravistas.


🔵 >>> Confira a nossa lista completa de exercícios sobre a História do Brasil.


Gabarito com as respostas dos exercícios sobre a Abolição da Escravatura no Brasil:

01. B;

02. a) A extinção do tráfico negreiro foi uma das exigências da Inglaterra para o reconhecimento da independência do Brasil em 1826 e formalizada por uma lei em 1831, ignorada pela aristocracia rural brasileira. Em 1845, a Inglaterra publicou o Bill Aberdeen, recorrendo ao uso da força contra os navios negreiros.
b) O fim do tráfico negreiro para o Brasil proporcionou a geração de capitais excedentes, investidos na ampliação de lavouras e em manufaturas e equipamentos necessários à modernização da cafeicultura,

o que permite afirmar que o fim do tráfico negreiro favoreceu o início da atividade industrial no Brasil no século XIX.

03. C;

04. D;

05. C;

06. C;

07. a) A escravidão era um empecilho à criação de mercado, seja nas áreas de exportação (América) ou nas áreas partilhadas na África.
b) O movimento abolicionista e a participação do Exército, inspirado no positivismo europeu.

08. A;

09. E;

10. Os escravistas eram membros de uma elite conservadora e os abolicionistas faziam parte de grupos defensores de uma evolução dentro da ordem.

Esses fatos ocorreram às vésperas da Proclamação da República e foram causados pela pressão dos militantes, dos abolicionistas e até pelo fato de o Brasil ser uma das últimas nações a manter a escravidão.

Gostou desta lista de Exercícios? Não esqueça de compartilhar com seus amigos:

Deixe um comentário